Novas fronteiras

800px-1024x677-dsc_8799
Piratpartiet, o Partido dos Piratas da Suécia, uma excelente ideia para Portugal. Já temos os piratas, só falta, mesmo, o partido. Estou-me a esquecer de algum?
Infelizmente, o Piratpartiet é demasiado sério e honesto, combate pelo direito à informação e à internet livres e ao direito à privacidade das comunicações. Até nisto, os piratas lusos são diferentes. Preferem navegadores como o Magalhães e a Microsoft.

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

4 respostas a Novas fronteiras

  1. rosarinho diz:

    Eu cá, ando à procura da herdeira da PÁ da Padeira de Aljubarrota.
    Quem herdou a Pá?
    Onde está a PÁ?
    É que temo que algum dia, qualquer “pá” já sirva…
    Mas, aquela PÁ é que era… Reconhece logo os infiltrados, os traidores da Pátria… A PÁ já teve muita prática e parecendo que não… o saber de experiência feito, vale muito, é precioso…

  2. rosarinho diz:

    Esqueci-me de propor o “Partido da PÁ” para combater todos os “Partidos dos Porreiros, Pá!”.

  3. virgilio vargas diz:

    porreiro PÁ!

  4. rosarinho diz:

    Quando me refiro aos “porreiros, Pá!” refiro-me aos “CÚMPLICES de POUCAS VERGONHAS e de TOMADAS DE DECISÃO DESUMANAS”, porque para mim, nem todos os políticos são iguais e acredito que haja quem vá para a política por convicções. Esses mesmo que eu discorde deles, respeito-os.
    Daí a importância da PÁ… da verdadeira PÁ.

Os comentários estão fechados.