Abril Mil…

carnation-creation-011

Um apelo à participação de todos nesta data que mais do que nunca vale a pena lutar…

No dia 25 de Abril de 1974, um movimento de militares derrubou um regime fascista e colonialista, repressivo, racista, machista, homofóbico e orientado por muitas outras violações dos direitos humanos. Desde então foram restabelecidas – em maior ou menor grau, com maior ou menor celeridade – a independência das colónias, as liberdades de associação, de expressão, de imprensa… Mas muitas discriminações absurdas subsistem nos quotidianos vividos, em leis e regulamentos, em manuais, em comportamentos e hábitos, nas mentalidades e discursos.

Todos os anos a data é assinalada com uma marcha, uma manifestação plural onde se encontram várias vontades de concretização das muitas possibilidades que Abril permitiu sonhar. Porque o combate às discriminações se faz, tanto na nossa cabeça como na rua, porque essa luta é transversal e solidária, porque queremos criar sinergias maiores que a soma das partes, PORQUE COM DIREITOS TOD@S GANHAMOS. Para que não pensem que consentimos quando nos calamos, este ano vári@s cidadã(o)s e associações de diversas áreas de intervenção social, cultural e política coordenam entre si a participação no evento. E como as discriminações só parecem fazer sentido até (nos) (re)conhecermos na ‘pessoa-ao-lado’ convidamos tod@s a participar nesta grande festa pelas Liberdades (as conquistadas, que importa manter, e as que estão por conquistar).

Dia 25 de Abril, às 15h, encontra-te connosco no Marquês de Pombal, em frente à Varig.Vem fazer a tua manifestação com as nossas! EM ABRIL, POR DIREITOS MIL!

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

9 respostas a Abril Mil…

  1. No dia 25 de Abril de 1974, o Povo Português, na sequência de um movimento de militares derrubou um regime fascista e colonialista, repressivo, racista, machista, homofóbico e orientado por muitas outras violações dos direitos humanos. Desde então foram restabelecidas – em maior ou menor grau, com maior ou menor celeridade – a independência das colónias, as liberdades de associação, de expressão, de imprensa… Mas muitas discriminações absurdas subsistem nos quotidianos vividos, em leis e regulamentos, em manuais, em comportamentos e hábitos, nas mentalidades e discursos.

  2. A língua portuguesa tem algumas particularidades interessantes.

    Para dizer todos os homens tenho que o fazer assim, todos os homens e para dizer todas as mulheres, tenho que o fazer assim, todas, isto porque se, singelamente, disser “todos” infiro que são todos os homens e todas as mulheres.

    Posso estar a ver mal, admito, mas parece-me discriminação maior o infeliz, quanto a mim, “tod@s”.

  3. Rui Barandas diz:

    O que aqui vou dizer, vai deixar muitos mal dispostos, mas apenas desejava que de uma vez para sempre os portugueses acordassem de promessas não cumprimas.

    Será que hoje os portugueses ainda apoiam o 25 de Abril? ´

    Sabemos que não. Infelizmente esta é a pura realidade.

    Que vontade têm os portugueses de ir para a rua, quando 20 a 30 por cento vive no lumiar da pobreza e miséria. passando fome e onde se vêm por essas ciades de Portugal muitos á procura de comida em contentores? onde muitas crianças, vão para a escola sem terem jantado a noite anterior nem comido de manhã, muitas delas desmaindo nas escolas de fraqueza?

    Não, infelizmente, ESTA DATA NÃO SÓ NÃO É MAIS CELEBRADA POR UM CRESCENTE NÚMERO DE PORTUGUESES, MAS ATÉ MESMO REJEITADA POR MUITOS DELES, que antes saiam para as ruas a comemorá-la. Centenas perguntam: É ESTE O PORTUGAL DE ABRIL?

    l

  4. maria monteiro diz:

    O Portugal de Abril tem 35 anos:
    já não é celebrada por quem se acomodou a… , é rejeitada por quem se encheu de … mas será sempre comemorada por todos aqueles que acreditam no futuro. EM ABRIL, POR DIREITOS MIL!

  5. xatoo diz:

    é pá!
    comemorar a nostalgia é intrinseco à nossa natureza fadista; mas andas atrasado. As verdadeiras comemorações deste Regime são a 25 de Novembro

  6. Paulo Jorge Vieira diz:

    Não sei que significado tem para a maioria dos leitores o 25 de Abril. Pessoalmente saio à rua e comemoro desde que me lembro.
    Acho que particularmente este ano temos que ser capazes de demonstrar a nossa vontade de resistir a esta crise por muito que esta mesmo nos ande a puxar para baixo!

    Todos e Todas=Tod@s é bem diferente de todos! Simplesmente isso!

  7. Será mesmo caro Paulo?

    A isso eu chamo preconceito politicamente correcto.

    Mas espero a explicação para tão evidente e simples forma alternativa de ortografia. E como oraliza?

  8. Paulo Jorge Vieira diz:

    caro Alfredo
    habitualmente digo todas e todos (como sabe em Portugal há mais mulheres que homens).
    quanto a este debate sobre o uso do genérico masculinizado e o seu carácter sexista aconselho lhe a leitura de alguns dos textos publicados pela CIG – organismo do estado de promoção da Igualdade – sobre o assunto.

  9. Rui Barandas diz:

    É verdade, Xatoo fala em 25 de Novembro, e eu, há uns anos atraz fui convidado para um jantar onde se comemorou o verdadeiro dia da libertação, em que o Coronel JAIME NEVES, foi muito falado e aclamado por nos ter libertado de uma ditadura comunista que as Esquerda Radicais na pessoa de Cunhal , Rosa Coutinho e outros nos queriam impor??????????????????? aliás, mostraram um filme onde Cunhal discursava em Portugas e Russo mostrando a sisma dele para que Portugal entrasse na esfera dos países satélites da União Soviética. Bem já estive em vários países governados por comunistas e digo que íamos sair do “sal para a salmoura”…………………

Os comentários estão fechados.