A peste e a coléra (II)

Manuela Moura Guedes anunciou que vai processar José Sócrates. Foi depois deste ter dito, na entrevista à RTP, que o telejornal das sextas-feiras na TVI não tem nada de jornalismo, é só “uma caça ao homem” com base somente num “ódio” de cariz “pessoal” (cito de memória).

Um processo assim é exactamente do mesmo género que aquele que José Sócrates moveu, por exemplo, ao João Miguel Tavares. Não se gosta de uma opinião e, vai daí, processo em cima.

E portanto Manuela Moura Guedes desceu ao nível daquele que agora processa. Usa os mesmos métodos, pelas mesmas razões – e legitimando assim os métodos de Sócrates. Dito de outra forma: estão um para o outro.

Escolher entre Manuela Moura Guedes e José Sócrates é escolher entre a peste e a cólera. Por mim, não escolho.

[post também publicado no Glória Fácil]

Sobre João Pedro Henriques

Jornalista
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

14 respostas a A peste e a coléra (II)

  1. Ouçam a nova música da Banda Zé Ninguém:

    Corrupção

    Corrupção em Portugal
    Não vai nada nada mal
    Este país é a loucura
    Está pior que uma ditadura

    O governo é uma piada
    Nem o circo tem tanta palhaçada
    Este país à beira mar
    Vamos todos afundar

    Por isso eu digo não
    Por isso eu digo não
    À corrupção
    À corrupção

    E depois, quem vai pagar!
    Andamos todos a brincar!
    Nem o gato nem o cão!
    Eu aposto um milhão

    Autarquia fraudulentas
    Presidentas pestilentas
    Sabem de quem estou a falar
    Ou é preciso explicar?

    Senhoras e senhores:
    Bem vindos a Portugal!
    O País mais corrupto da Europa!
    Mais corrupto da Europa!
    Não tenha medo, aqui ninguém vai preso!
    Ninguém vai preso!
    Mais corrupto da Europa!
    Mais corrupto da Europa!

    Este país é uma demência
    É uma grande decadência
    Autarquia fraudulentas
    Presidentas pestilentas

    E depois, quem vai pagar!
    Andamos todos a brincar!
    Nem o gato nem o cão!
    Eu aposto um milhão

    Por isso eu digo não
    Por isso eu digo não
    À corrupção
    À corrupção

    Banda Zé Ninguém
    http://www.myspace.com/bandazeninguem

  2. Rui David diz:

    fica-te bem a a equidistância entre uma figurinha grotesca que passa quase meia hora de prime time a avacalhar o primeiro ministro de forma acintosa como se tivesse alguma puta de alguma legitimdade para o fazer e um gajo que apesar de tudo foi eleito por maioria absoluta que nem sequer mereceu dúvidas à “oposição democrática” moldava.

  3. Saloio diz:

    Ora aí estão dois, muito bons um para o outro – vou ficar a aguardar os desenvolvimentos com curiosidade.

    Como bem diz o povo: uma desgraça nunca vem só!

    Digo eu…

  4. Waiwan diz:

    Tenho um feeling que vais ser saneado do blogue.

  5. Nuno Ramos de Almeida diz:

    João Pedro Henriques,
    Não concordo contigo.E duvido que concordasses se os insultos do Sr. Sócrates se dirigissem a ti. O primeiro ministro insulta um conjunto de profissionais, nos quais eu me incluo, dizendo que eles não fazem jornalismo: são travestis do jornalismo. Estranhamente, o Sr. Sócrates nunca desmentiu uma notícia do Jornal Nacional de Sexta, limita-se a insultar os seus profissionais.
    Se o João Miguel Tavares tivesse escrito que o Sócrates roubou a Caixa Geral de Depósitos , isso era uma calunia. Ora, o colunista do DN limitou-se a dizer que não goastava de Sócrates e que achava pouco séria e preparada a governação do dito cujo, isto é uma opinião. É essa a diferença.

  6. Jeronimo diz:

    NRA: O problema começa pela deturpação dos factos e da consequente falha dos raciocínios que se elaboram a partir daí. Sócrates não se referiu aos jornalistas como travestis do jornalismo, como Vc desonestamente afirma. JMTavares não se limitou a dizer que não gostava de Sócrates. Disse, entre outras coisas, que ele não era sério e que tinha comprado a casa por metade do preço. Quanto à falácia do “nunca desmentido”, acho que não preciso de lhe explicar que contar uma meia-verdade, omitindo factos que dão enquadramento diferente aos que se noticia, é uma meia-mentira. Não se pode desmentir, mas é uma atitude no minimo desonesta. Se acrescentarmos a isso que quem o faz é jornalista e está obrigado a um código deontológico e de ética que condena essa atitude ….

  7. Nuno Ramos de Almeida diz:

    Jerónimo,
    Você tem a difícil relação com a verdade dos seus maiores. O peimeiro ministro disse textualmente que o jornal nacional de sexta era um produto de ódio e propaganda contra ele, ‘travestido de jornalismo’. Chamou , portanto, aos jornalista que ali trabalham jornalistas travestidos.
    A sua conclusão que as notícias da TVI são manipuladoras é uma opinião que não se baseia em factos. Volto-lhe a dizer que nenhuma notícia sobre o Freeport foi desmentida. Nem podia.
    Não podiam desmentir que há uma carta rogatória, não podem desmentir que ela intitula Sócrates de suspeito. Não podem desmentir que há uma gravação vídeo da conversa de charles smith e joão cabral com um administrador do Freeport. Não podem desmentir o conteúdo desse conversa. Não podem desmentir que o tio de Sócrates o contactou por causa do Freeport. Não podem desmentir que Sócrates promoveu uma reunião com as pessoas envolvidas nos processo. Não podem desmentir que há emails da Smith and Pedro para o Freeport , falando de luvas. Não podem desmentir que o Freeport e a alteração da ZPE fora feitas nos últimos dias do governo de gestão. Não podem desmentir que a alteração da ZPE coincide ,quase totalmente, com o desenho do Freeport.
    Como vê. Tudo notícias que não podem ser desmentidas. Cabe à justiça investigar e aos jornalistas dar notícias, são coisas diferentes. Mas ao contrário de determinados jornalistas elogiados por Sócrates, há jornalistas que não se esqueceram de dar notícias.

  8. Luis Rainha diz:

    E tu também não podes desmentir que por vezes te travestes. Ainda no outro dia te vi de Carmen Miranda.

  9. Rita Pereira diz:

    Aplicando as palavras do PM, o artigo de hoje do DN , é um produto de apoio e propaganda a favor dele, ‘travestido de jornalismo’.

    Caso Freeport
    Advogados ingleses ilibaram Smith

    por CARLOS RODRIGUES LIMA Hoje

    Uma tradução à letra de um documento apreendido a Charles Smtih levou a investigação a pensar que se tratava de José Sócrates, mas afinal tudo não passava de uma expressão idiomática. O inglês foi filmado a dizer que pagou luvas ao actual primeiro-ministro, mas uma investigação de advogados concluiu que tudo não passou de uma história inventada.

    http://dn.sapo.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=1208369

  10. Nuno Ramos de Almeida diz:

    Luís Rainha,
    Fazes favor de não revelar coisas, como diria a Câncio, da minha esfera privada. E não me deves um pedido de desculpa por ter ficado ontem à tua espera, em vão, durante 30 minutos?

  11. Luis Rainha diz:

    Oh, pá… como estava a um minuto do sítio, fiquei à espera que me desses um toque mal chegasses. Sorry.

  12. Jeronimo diz:

    Você já incorporou bem o tipo de lógica da TVI : (…)O peimeiro ministro disse textualmente que o jornal nacional de sexta era um produto de ódio e propaganda contra ele, ‘travestido de jornalismo’. Chamou , portanto, aos jornalista que ali trabalham jornalistas travestidos.(…)
    Esta lógica (?) é completamente absurda. Você não pode ter jornalistas “normais” a fazer simulacros de jornais, sobretudo se obedecerem a directivas de alguém que é uma coisa vagamente parecida com uma jornalista (MMG) ?

  13. Enojado diz:

    Este post não faz sentido.
    Deixou-me ainda mais enojado do que já estava, foda-se!

  14. Carlos Vidal diz:

    O ponto decisivo da argumentação de Nuno Ramos de Almeida, que trabalha na TVI é este: Sócrates nunca desmentiu nenhuma notícia da TVI sobre ele, logo de modo algum pode dizer que lá se faz um “jornalismo travestido”.
    Num contexto de guerra sem quartel, à TVI não lhe resta outra coisa senão processar o Engenheiro. Ora, se o Engenheiro nunca desmentiu nenhuma notícia do canal, como é que ele vai provar que aquilo é “jornalismo travestido”?

Os comentários estão fechados.