As corporações que nos tratam da saúde

Com os monopolistas dos remédios, não adianta entrar em conversetas sobre moralidade, legalidade e outras insignificâncias. Os problemas atalham-se atingindo-os no único sítio onde lhes dói.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

6 respostas a As corporações que nos tratam da saúde

  1. Por momentos pensei que esta guerra tinha a ver com a protecção dos interesses do utente…

  2. henrique diz:

    por amor de deus, liberalizema marijuana,

    já chega de escravatura

    abaixo os bancos, abaixo as farmaceuticas, abaixo as companhias de telemoveis, abaixo o capitalismo selvagem

    vivam!

  3. Luis Rainha diz:

    Mas sim… os senhores da ANF e da OM até costumam andar a esvoaçar por aí feitos anjinhos benfazejos…

  4. Luis Moreira diz:

    O lobo travestido de cordeiro só está preocupado com a empresa de distribuição de genéricos que comprou.É o mesmo que impede uma sã concorrência entre farmácias, a abertura de mais farmácias, para manter o controlo das existentes e das poucas que vão abrindo, carinhosamente distribuídas aos amigos! Deixem as alcateias destruírem-se mútuamente!

  5. Grande ministra. Grande governo.

  6. LR diz:

    Filipe,

    Há quem veja acertos em tudo o que Sócrates faz, mesmo nesta última idiotice dos processos. Mas não convém acampar numa barricada igualmente estúpida, só que do outro lado.

Os comentários estão fechados.