Santa ignorância

Confesso que leio religiosamente a Terceira Noite. Gosto da escrita de Rui Bebiano e não concordo com quase nada do que ele pensa. São as condições para um vício inteligente. Mas declaro-me em vias de vacinação. Raramente li um post tão preconceituoso. Criminalizar o enriquecimento ilícito não significa julgar duas vezes o mesmo crime. Pretende-se, como existe em muitos países da Europa e nos Estados Unidos, criar um mecanismo para conseguir julgar criminosos que de outra maneira seria muito difíceis  de apanhar. Os mecanismos da criminalidade económica são muitas vezes impossíveis de provar, o crime fiscal e o enriquecimento ilícito deixam traços que são mais duráveis. Não é por acaso que nos EUA, Al Capone foi apanhado por crime fiscal. Esse era possível de provar, os outros necessitavam testemunhas ressuscitadas e a descoberta de factos enterrados. Ao contrário que diz Bebiano, não estamos perante uma justiça de classe, mas uma alteração jurídica com vista a permitir que a justiça combata os crimes financeiro e de colarinho branco. O anti-comunismo não desculpa a ignorância.

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

7 Responses to Santa ignorância

Os comentários estão fechados.