Mil processos florescerão

2646_1067941494242_1097206487_30216746_1950720_n

Via ABC do PPM

Depois das notícias que José Sócrates vai processar também os jornalistas do Público, Cristina Ferreira, Paulo Ferreira e José Manuel Fernandes, esta frase da Inês ganha o prémio lápis azul:

De FuckItAll a 3 de Abril de 2009 às 12:10, no 31 da Armada
“Só uma dúvida: interpôr um processo judicial destes não significa pedir a uma autoridade independente (a judicial) para dirimir um diferendo? De que maneira é que isto é censura? Censura é silenciamento, não é julgamento”.

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

63 respostas a Mil processos florescerão

  1. Paulo Ribeiro diz:

    ah… meus caros ramos e vidal (que cumprimento) a república agradece-vos e estamos todos mais descansados. mas repararam bem naquilo que têm em mãos? vejamos: é nomeado, é referenciado, recebeu um fax, o tio disse, o primo fez e mais algumas coisas. meus caros, a suspeição deve estar mesmo nestas mais algumas coisas, visto que, muito honestamente, eu e qualquer pessoa de bem, no lugar de um magistrado, não mandava o pm vir ter comigo para me repetir esclarecimentos prestados em conferência de imprensa… só se fosse para justificar trabalho ou, caso sórdido, para contentar alguns justiceiros. agora, caro ramos, quer saber a diferença entre o pm e um cidadão comum, eu digo-lhe, o cidadão comum não pede conferências de imprensa para esclarecer este tipo de ninharias, pelo que, a forma do magistrado o ouvir é chama-lo. percebeu a diferença? que tal, é simples não é?

  2. Jeronimo diz:

    Grande Paulo Ribeiro! É assim mesmo!
    NRA: a TVI pode não afirmar nada que não seja um facto, mas o facto de omitir certos detalhes conhecidos relacionados com esses factos deformam a ideia geral transmitida. E isso é, no minimo, desonestidade intelectual. Ou meia verdade, se preferir. O que implica meia mentira.

  3. Nuno Ramos de Almeida diz:

    Jerónimo,
    Omitir o quê?
    Tudo o que foi colocado no ar é verdadeiro, o que é mt estranho é que apesar disso, o sr. continue sem ser investigado.

  4. Jeronimo diz:

    Referiram, por exemplo, que os mails pessoais faziam parte de um lote de 3500 de origem mais que duvidosa e que foram rapidamente desvalorizados pela PJ ? Referiram que o telefonema “vão chatear o Sócrates” foi feito em 2005 de um telemovel usado apenas para fazer 2 chamadas ? Referiram que neste caso a PJ achou relevância ao telefonema mas no âmbito do processo contra o Independente ? Se quiser arranjo muitas mais …

  5. Nuno Ramos de Almeida diz:

    Meu caro,
    Não há emails com origens duvidosas. Os emails têm uma máquina de origem e outra de destino. As escutas, os testemunhos, os DVD, os tios e sobrinhos, mesmo que muito duvidosos, têm de ser avaliados e investigados . Há a estranha ideia que a investigação esteve propositadamente parada, e só quando os duvidosos ingleses mandaram a carta rogatória se recomeçou a investigar.

    Este caso não é filho único. No processo da Cova da Beira esteve marcada uma revista a casa de Sócrates e à última da hora foi desmarcada. Quando foi perguntado ao magistrado do Ministério Público pq mudou de opinião , ele disse que não havia indícios que permitissem investigar um secretário de Estado. É engraçado que havia indícios. Pelo menos, um bilhete de um assessor autárquico ao pres. HLC que nomeava Sócrates e um testemunho na fase de pré-inquérito de um motorista, que nunca foi interrogado na instrução, em que ele dava datas e locais em que se teriam encontrado as pessoas da HLC, da autarquia e o , então, secretário de Estado. Engraçado que isso nunca foi investigado. Eu acho que se Sócrates está inocente não se deve contentar com ser inocentado na “secretaria”, quereria que tudo fosse devidamente esclarecido. Gostos.

  6. Jeronimo diz:

    Realmente você é um génio da informática. Não ha mails de origens duvidosas porque se conhece a máquina de destino ? Mas a origem não é a de onde parte ? E quanto a essa, já ouviu falar de IPs virtuais ? Sabe o que são cibercafés ?

  7. «A verga quando é dura não chega para todos.»

    Ó Catarina Henriques, que pena não termos estado juntos no «5 Dias». Pouco antes de eu sair, a Catarina entrou. Acho que nos íamos dar bem.
    A propósito, Nuno, acho que também vou ser processado.
    http://aventar.eu/2009/04/07/o-pensamento-politico-de-jose-socrates-e-de-anna-ilona-staler-homenagem-a-joao-miguel-tavares/

  8. Jerónimo,
    O seu azar é que os emails não partem de um cibercafé nem vão para um cibercafé. A menos que ache que a secretaria de Estado do ambiente era uma tasca.

  9. Jeronimo diz:

    Da secretaria de Estado do Ambiente ?!? Isto está cada vez melhor!! Então você acredita MESMO que se houvesse um acto de corrupção envolvedno alguém do Min. do Ambiente ele enviava ou recebia mails comprometedores de/para o local de trabalho ?? Nessa nem você acrdita …

  10. Nuno Ramos de Almeida diz:

    Meu caro, eu não acredito em nada isto não é uma questão religiosa. Há um email para um determinado endereço. E há um fax para um determinado número.Há também uma série de coisas que devem merecer a atenção dos investigadores. Numa investigação as coisas não podem ser afastadas à partida, pela posição social do investigado. É isso a única coisa que lhe digo.

  11. Jeronimo diz:

    Se não éuma questão religiosa como é que Vc e a TVI acredita piamente que tudo o que é afirmado no DVD corresponde à verdade ? Ou que é escrito num mail apócrifo ? Ou numa chamada duvidosa ? Como é que acredita nisto tudo, a não ser por fé ?

  12. Nuno Ramos de Almeida diz:

    Meu caro,
    Se num DVD aparecem os reponsáveis de uma empresa de mediação declaram ter corrompido um político, com o conhecimento dos responsáveis da empresa. Eu acho que é de investigar. Se depois da investigação se concluir que o político é inocente. Ainda bem. Mas só investigando é que tiraremos todas as dúvidas.
    O estranho é que a responsável do organismo que investiga se recuse a tomar conhecimento do conteúdo do DVD. Uma coisa é não servir como prova, outra é não ser importante para as investigações. Vou-lhe dar um exemplo, se as câmaras de vigilância de um banco apanharem imagens de um terrorista a colocar um carro bomba, isso não serve como prova, mas a investigação vai querer ver as imagens para auxiliar a investigação.

  13. luciano diz:

    que pedaço de carne branca maravilhoso!

Os comentários estão fechados.