Concurso educativo

Primeiro, leia a notícia do Público:
“Os procuradores que investigam o caso Freeport explicaram ontem ao procurador-geral da República, Pinto Monteiro, que as pressões para arquivarem o processo partiram do procurador-geral adjunto Lopes da Mota, que preside actualmente ao Eurojust, e que foi secretário de Estado da Justiça no consulado de António Guterres. Em comunicado, o procurador-geral anunciou hoje que “está já a ser averiguada a existência de qualquer conduta de magistrado do Ministério Público, junto dos titulares da investigação”.

Para analisar o assunto foi já convocada para o início da tarde de sexta-feira uma reunião extraordinária do Conselho Superior do Ministério Público, tendo também Lopes da Mota sido convocado para comparecer amanhã Lisboa, para esclarecer as eventuais pressões”.

Segundo, responda a esta pequena adivinha: Alguma vez na vida houve um procurador que foi apanhado nas escutas do caso Fátima Felgueira a dizer qualquer coisa como: “foge Fatinha”? Quem é esse hipotético e alegado elemento do MP?

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

12 respostas a Concurso educativo

  1. toulixado diz:

    Só há duas hipóteses possíveis…

  2. jacuzzi diz:

    EARTH CALLING CAVACO…. EARTH CALLING CAVACO…. EARTH CALLING CAVACO…

    ja nao bastava a Madeira, ja nao bastava a Fatima Felgueiras, ja nao bastava o Vara, ja nao bastava a Casa Pia, ja nao bastava Oeiras, ja nao bastava a Bragaparques, ja nao bastava o canudo de eng. da farinha amparo, ja nao bastava a cova da beira, ja nao bastava o Freeport…

    EARTH CALLING CAVACO…. EARTH CALLING CAVACO…. EARTH CALLING CAVACO…EARTH CALLING CAVACO…. EARTH CALLING CAVACO…. EARTH CALLING CAVACO…EARTH CALLING CAVACO…. EARTH CALLING CAVACO…. EARTH CALLING CAVACO…EARTH CALLING CAVACO…. EARTH CALLING CAVACO…. EARTH CALLING CAVACO…

    alguem por favor acorde o banana do Presidente da Republica (das bananas). e lembre que isto era suposto que os seus servicos minimos sao manter alguma coisa que aparente ‘inspiracao democratica’ e ‘independencia do poder judicial’.

    EARTH CALLING CAVACO…. EARTH CALLING CAVACO…. EARTH CALLING CAVACO…EARTH CALLING CAVACO…. EARTH CALLING CAVACO…. EARTH CALLING CAVACO…EARTH CALLING CAVACO…. EARTH CALLING CAVACO…. EARTH CALLING CAVACO…EARTH CALLING CAVACO…. EARTH CALLING CAVACO…. EARTH CALLING CAVACO…

    ou o tipo so aparece para comer bolo-rei?

  3. Joao Cardoso diz:

    Do nosso contacto, via Europol, com os ingleses pode dizer-se que tem um passado histórico, a sua nomeação já foi um pleonasmo.

  4. Camelo no buraco da agulha? diz:

    A pressão já era tanta que o outro não aguentou e… passou-se!

  5. assessor diz:

    caro NRA
    você chamou-me assessor em resposta a um comentário, assinado, que proferi num post seu impregnado de má fé. Depois eu não sou anónimo, ao contrário do jeito que dá à sua versão de coitadinho, mais, há quem me conheça a mim e a si e sobre si tecem as mais negras considerações de falta de carácter e verticalidade. se dúvidas houvesse aqui está este post para as dissipar, senão vejamos:
    você afirma que há pressões sobre os magistrados do freeport, o PGR diz que não. mas o PGR tb diz que vai investigar, simultaneamente, se há essas alegadas pressões ou se há mas é uma tentativa de por em causa em isenção da investigação, na senda daquilo que mais lhe convém e atitude que você precisa como de pão para a boca.
    cumprimentos

  6. Luis Moreira diz:

    Mas é o mesmo?

  7. PJMODM diz:

    Penso que não é o mesmo. Realmente, na altura da peregrinação da Fátinha ao Brasil foi referida na Comunicação Social uma chamada telefónica que teria sido feita com esse teor por parte de um juiz conselheiro (a informação privilegiada tinha sido obtida no tribunal da relação de Guimarães, que deferira um recurso do ministério público a pedir a prisão preventiva da Fátinha). Esse facto que constitui um crime veio a dar origem a um processo arquivado porque as escutas em que a conversa salvadora tinha sido captada não podiam ser usadas como prova. (Nota a revisão de 2007 do Código de Processo Penal tornou claro que as escutas não podem ser usadas como prova nestes casos e proibiu o ministério público de recorrer a pedir a prisão preventiva).
    Lopes da Mota foi referido como amigo do casal presidencial de Felgueiras e com tendo outra eventual interferência (veja-se notícia linkada em comentário ao post anterior).

  8. ramalho diz:

    As ligações são tão intrincadas que a solução para sair do pantano terá ser uma Revolução à séria,tudo o resto é para continuar tudo na mesma ,os mesmos xicos-espertos,etc.Um caminho só,a rua para esses gajos!

  9. a.m. diz:

    O Nuno saberá, melhor do que eu, mas…
    O da Fatinha era mesmo M.P.? Ou juiz (desembargador)?
    Acha que pode esclarecer, com nome, eventualmente?
    Abraço, anyway

  10. Gostava de ver o nome desse senhor escrito. Perdoem-me, mas assim, fico-me plas suspeições, sem certezas, não sei se hei-de acreditar em vocês…

  11. Nuno Ramos de Almeida diz:

    Assessor,
    Eu assino aquilo que escrevo. Correcto ou incorrecto está assinado. Você é um anónimo que não tem coragem de dar a cara pelas suas opiniões. Já usou três nomes diferentes a comentar os posts do 5 dias. Todos pseudónimos.
    Em relação à nossa discussão, o comunicado do procurador é claro na sua escuridão. Por um lado, afirma que a PGR não vai permitir pressões à investigação, por outro lado, chamou Lopes da Mota para esclarecer uma conversa que ele teve com os procuradores titulares do processo, que estes consideraram com uma pressão directa.
    E como lhe digo, ainda a procissão vai no adro.

  12. Camelo no buraco da agulha? diz:

    E o caso Fatinha? Como fica a resposta à pequena adivinha (alguma vez na vida)?

Os comentários estão fechados.