E o barroco é para quem sabe e quem pode: para Giuliano Carmignola, por exemplo…


… esquecer portanto Anne Sophie Mutter neste reportório. E ouvir Carmignola, o maior intérprete do barroco (a par de Viktoria Mullova). Aqui Carmignola é acompanhado pela excelente Orquestra Barroca de Veneza, dirigida por Andrea Marcon, no “Verão” das Quatro Estações, ou seja, no “Presto” do Concerto Op. 8, nº 2, RV 315, de Vivaldi (ouvir obra integral na edição Sony Classical, 2000).

Impressionante!

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

4 respostas a E o barroco é para quem sabe e quem pode: para Giuliano Carmignola, por exemplo…

  1. são todos muito bons, virtuosos. mas o único génio é Vivaldi.

  2. Carlos Vidal diz:

    Certo, o grande génio é Vivaldi.
    Mas há que considerar que há épocas de ouro para a reavaliação de certos compositores ou artistas em geral (Caravaggio foi redescoberto apenas no século XX). Por exemplo, com Vivaldi acontece um fenómeno interessante: há cerca de 400 composições manuscritas do autor na Biblioteca Universitária de Turim à espera de musicólogos, intérpretes e virtuosos para as revelarem. Felizmente, há uma colecção da editora naïve (em conjugação com o Instituto per i Beni Musicale in Piemonte) que se chama “Vivaldi Edition” e me parece um dos acontecimentos musicais da última década, e se propõe revelar e editar a maior parte desse acervo, com os mais qualificados intérpretes, musicologicamente falando. Vamos em mais de 30 CDs e nenhum é música menor: dezenas de óperas fabulosas inéditas, centenas de concertos, etc. Carmignola ainda não participou desta colecção, mas faz a sua divulgação por outras vias (é artista da Deutsche Grammophon, o que tem o seu peso).

  3. publicas-me isto? diz:

    É pá qualidade bué, a gaja toca como o paganini é mesmo assim. Não venhas cá com tretas do doce e do virtuoso, tem juízo pá.

  4. Carlos Vidal diz:

    publicas-me isto?, OK publico, sim senhor (ou senhora?)
    Mas penso estar aqui a referir-se à Anne-Sophie Mutter. Comentário fora do sítio, mas não faz mal – registo a sua grande admiração pela violinista alemã.

Os comentários estão fechados.