Amanhã é dia de greve em França

Com o agravar da crise em França, o actual governo tem anunciado vários planos que têm beneficiado sobretudo as grandes empresas do sector financeiro, enquanto todos os dias se anunciam fechos de fábricas ou despedimentos: Pneus Continental, Goodyear, CAMIF, FNAC Bastille, Refinaria Total do Havre, etc. Mesmo empresas com excelentes resultados anunciam vagas de despedimentos.

No meio desta situação catastrófica o governo recusa-se a abolir um mecanismo criado por Sarkozy conhecido como “escudo fiscal” que impõe um limite de impostos de 50% dos rendimentos. Esta medida custa ao orçamento do estado 458 milhões de € e beneficia sobretudo os contribuintes mais ricos. Para quem não conhece o sistema fiscal francês, é preciso explicar que existe um imposto criado nos anos 80 pelo governo da união da esquerda chamado ISF (imposto de solidariedade sobre a fortuna) que incide sobre o património e não sobre os rendimentos.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

5 respostas a Amanhã é dia de greve em França

  1. A FNAC Bastille fechou? Nunca gostei muito da FNAC Bastille, diga-se de passagem (só dedicada à música e vídeos numa época em que pouca gente os compra). Mas na zona em que é poderiam fazer uma FNAC normal.

  2. jcd diz:

    Curioso como se inverte a lógica das coisas. Não cobrar um imposto, passa a ser um custo. Tirava-te 20, agora passo a tirar-te 15, logo tenho um custo de 5.

  3. Pedro Ferreira diz:

    Caro Filipe, o grupo PPR anunciou esta semana que fechava a FNAC Bastille, é uma pena pois tinha bons vendedores de música clássica, o que se vai tornando raro nas outras FNAC’s por aqui.

    Caro jcd, se calhar o termo custo não é bem escolhido (é o que é mais usado por aqui) ficaria melhor o “manque à gagner” francês que é intraduzível. O que é importante nesta história é que o estado faz um esforço para baixar os impostos dos mais ricos ao mesmo tempo que nos vai preparando para um aumento dos impostos locais por causa da descentralização sem contrapartidas orçamentais e dos investimentos arriscados que muitos municípios fizeram.

  4. publicas-me isto? diz:

    É pá cambanda tachista, engenheiros da treta, econimistas de pacotilha.

  5. publicas-me isto? diz:

    É pá betinhos a vida não está nos livros, e a economia é real.

Os comentários estão fechados.