A cadeira é dele


A mais espantosa troca de posts e comentários da blogosfera acontece na Escola de Lavores. Mete jornalistas, ministros, assessores identificados, assessores com pseudónimo na blogosfera e montes de gente.
“Quem parece que não se conformou com a distribuição dos lugares foi o ministro da administração interna. Ainda o café não tinha chegado à mesa, já rui pereira mandava um empregado do restaurante dizer a uma jornalista que se levantasse para ele se poder sentar junto de sócrates. Assim, sem mais. E antes que houvesse tempo para reagir, lá estava o ministro de pé, coladinho à cadeira da jornalista, para que ela se levantasse e ele se pudesse sentar.”


1. Um chá para o Rui Pereira, ver também a resposta do ministro Rui Pereira

2. Resposta ao ministro da Administração Interna

3. Resposta ao Miguel Abrantes (sempre é verdade que é secretário de Estado? Merece)

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

4 respostas a A cadeira é dele

  1. Luis Moreira diz:

    A corporação jornalística no seu melhor !Esta classe ,onde há muito boa gente, é do pior!Mas chegar a isto, entre quem se baba para apresentar serviço a Suas excelências e quem se queixa por ficar sem cadeira, temos um horror de mediocridade! E nós a pagar jantaradas ao entardecer…

  2. O que é um assessor não identificado?

  3. mdsol diz:

    Factóide! Alimentado por todos! Até por este meu comentário insignificante!

  4. A.Q. diz:

    Esquecendo o jogo das cadeiras (que deprimente, tudo aquilo), eu não punha aqui o hino da Família Santos, ainda por cima com a letra errada. Angola não é Portugal já há 30 anos. Parece que agora é de uma sociedade com sede numa caixa postal da ilha de Man.

Os comentários estão fechados.