Reabilitação?

Depois de ter iniciado a procura da minha primeira casa em Lisboa, nunca mais deixei de ver anúncios e de visitar edifícios, sobretudo, para venda. Recentemente, vários amigos têm-me pedido ajuda nas suas procuras, cientes das poucas qualificações técnicas do “braço amigo” que o agente imobiliário sempre oferece e à espera de um olhar mais avisado.
Não sei o que sucederá noutras zonas do país, mas em Lisboa diria, quase como regra, que fogos recuperados e a preços aceitáveis são de evitar.

Com a pouca séria fiscalização existente, construtores curiosos têm vindo a descascar a cidade com obras feitas sem projectos, e com muito reboco e pinturas ocultam os problemas. O produto final sai a preço baixo e a sua venda gera enormes mais-valias. Os resultados destas duas últimas duas décadas de autêntica barbárie de má construção ainda estão por medir, mas temo as suas consequências, especialmente, numa cidade com elevado risco sísmico como é Lisboa.
Contudo há coisas que se podem ir fazendo para inverter esta situação.
Para além do necessário aumento da responsabilização das empresas de construção (e técnicos que lhes subscrevem os alvarás) ou o aumento do acompanhamento e fiscalização das entidades públicas, a possibilidade de descida do IVA de 20% para 5% na realização dos projectos de remodelação (do qual já beneficiam as empresas de construção e que também poderá ser estendida aos projectos de acordo com esta notícia do Architects Journal) poderá ser uma medida que inverta o actual estado de coisas, contribuindo para que se coloque técnicos devidamente qualificados à frente das soluções de projecto.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , . Bookmark the permalink.

4 respostas a Reabilitação?

  1. João diz:

    Boa! Sabes ainda ontem de manhã estive a ver uma dessas! “As paredes foram todas picadas e rebocadas de novo” , e é isto um restauro completo 🙂

  2. publicas-me isto? diz:

    É pá tens que denunciar as manobras dos arquitectos da camara de lisboa, principalmente as do Salgado, força, coragem, arrebenta.

  3. Pingback: cinco dias » A tragédia de Abruzzo

Os comentários estão fechados.