A cena das cadeias, uma resposta ao Pedro Correia

O Pedro Correia teve a simpatia de me incluir numa maravilhosa cadeia da internet. A saber: citar a quinta frase da página 161 de um livro qualquer, supostamente que estejamos a ler. Como os relatórios de contas do BPN não contam, cito um livro de que eu gosto e que podia estar a reler várias vezes.

Cá vai a frase e a colecção de vítimas que se segue:

“Ainsi, avait-il finir par capituler, convaincu maintenaint qu’il devait exister quelque raison obscure, mais de force majeure, quelque désaffinité élective, lui interdisant la découverte et l’usufruit des richesses proustiennes”.

La deuxième mort de Ramon Mercader, Jorge Semprun, pag 161.

As vítimas são o João Galamba, O Luís Rainha, o Vasco M Barreto, a Morgada e a Laura Abreu Cravo.

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

9 Responses to A cena das cadeias, uma resposta ao Pedro Correia

  1. Recuamos 1,8%. Mas felizmente já aprendi a solução! E dá muito tempo para ler páginas 161.
    http://ovalordasideias.blogspot.com/2009/03/recuamos-18que-tal-deixar-o-mercado.html

  2. J’aime bien aussi des livres de J. Semprun, Nuno.

  3. Luis Rainha diz:

    Como me encontro temporariamente desalojado, terei de estragar o propósito da corrente e afixar a resposta aqui. A minha chave ainda entra na fechadura?

  4. Ricardo Santos Pinto diz:

    Pois a minha, Luís Rainha, deixou de entrar logo no próprio dia (a meu pedido, claro)

  5. Pingback: cinco dias » A minha primeira cadeia

  6. vasco diz:

    Caro Nuno,

    Há anos que só leio volumes até 120-130 páginas.

    Cumps,

    v

  7. Carlos Vidal diz:

    Não creio que isso seja verdade, vasco, não creio.

  8. Pingback: cinco dias » A minha primeira cadeia (página 161, quinta frase)

  9. publicas-me isto? diz:

    É pá você entra nestas infantilices, nem parece do excelente jornalista que é. Tenha juízo homem.

Os comentários estão fechados.