Petição

A Ordem dos Arquitectos lançou uma petição online solicitando à Câmara Municipal de Lisboa que classifique o edifício na R. de Alcolena nº28/44. A obra em causa é um significativo exemplo do modernismo português e da arquitectura do pós-Segunda Grande Guerra Mundial, da autoria do arquitecto António Varela, e com um mural de azulejos do pintor Almada Negreiros. Esta casa está a ser objecto de um licenciamento municipal que implicará a sua integral demolição, segundo uma notícia do Público (verão impressa) de hoje.
Sinal da relação entre a Ordem dos Arquitectos e a comunidade, é o facto da petição já estar online, pelo menos desde ontem, e à hora a que escrevo apenas contar com 14 assinaturas (uma repetida e seis de actuais dirigentes da OA – que são perto de 140).
Subscreva e ajude a fazer pressão pública para que a Câmara Municipal de Lisboa inicie o processo de classificação municipal deste imóvel.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , . Bookmark the permalink.

13 respostas a Petição

  1. filipe a s diz:

    Como é que a OA quer ser levada a sério depois do Consulado “Roseta”?

  2. Luis Moreira diz:

    E sabendo quem é o proprietário e a sua sensibilidade artística é certinho que tudo aquilo será arrasado.” Bibi e os azulejos de Almada Negreiros ” vai ser a nova fotonovela a decorrer nos Paços do Concelho!Não há vergonha!

  3. Tiago Mota Saraiva diz:

    Luís Moreira, parece que o novo projecto vem de um atelier, cujo responsável é do Conselho Consultivo do IGESPAR!
    É de salientar a coragem de quem assinou o parecer negativo.

    Filipe, não personifique o que de bom e mau se fez na pessoa mais mediática. Apesar de todos os erros, se fosse noutros tempos, a OA já se tinha pronunciado contra a suspensão dos concursos públicos.
    De qualquer forma é de valorizar esta iniciativa, pode ser que seja uma correcção da estratégia e um virar para fora.

  4. Carlos Vidal diz:

    O arquitecto com projecto para o local, como sabes, fez parte da Comissão de Honra do lendário esquerdista António Costa. Mas, mesmo assim, parece-me que as coisas não deverão correr de feição para o sr. Massapina e seu gabinete.

  5. filipe a s diz:

    Tiago,

    E quantas situações idênticas – e também publicamente denunciadas – ocorrem por este país fora sem que lhes correspondam petições da OA como neste caso?

    Quando eu falo na credibilidade actual da OA nem me refiro junto do público em geral, refiro-me mesmo entre os seus membros, nos quais me incluo. E o consulado “Roseta” foi determinante para cimentar essa desilusão e descrença.

  6. Tiago Mota Saraiva diz:

    Carlos, também acho que tens razão. Nunca a actual Ordem faria algo de modo a afrontar Manuel Salgado.

    Filipe, teria uns bons milhares de caracteres para escrever sobre isso, mas a única coisa que gostaria de deixar claro é que penso ser injusto a personificação desses males na figura da Helena Roseta.

  7. Tiago Mota Saraiva diz:

    De qualquer modo, a petição é justa e espero que o edifício não passe à história.
    E isso, é o mais importante.

  8. Mas será que alguém se lembra dos direitos do proprietário?

  9. Tiago Mota Saraiva diz:

    Miguel, bem regressado! Espero que a questão seja irónica.

  10. MaJ diz:

    A esta hora, a petição já tem 146 assinaturas. Ainda é pouco.

    @ miguel dias, só para o caso de a pergunta não ser irónica: “O Público” de 6 de março informa que o proprietário pretende a demolição integral.
    E recentemente foram arrancados azulejos de Almada, até que a polícia rondou a casa para evitar mais estragos. Os vitrais foram “retirados” há muito tempo.
    Disclaimer: Não sou arquitecta.

  11. Tiago, mais importante do que ser sempre bem recebido, é saber que a nossa ausência é notada.
    Não, não se trata de ironia. É uma provocação.

  12. Tiago Mota Saraiva diz:

    Miguel, é que parece que o dono de obra é o chamado “Bibi do Benfica”!

  13. O bibi sempre teve bom gosto, a começar pelo clube.
    Mais a sério: o que me motiva é que ninguém pergunta quem paga a conta.

Os comentários estão fechados.