Os “poderes ocultos” são ilimitados: até invadem o Ministério da Educação

Como é que, depois de desmontada a “cabala”, a “campanha negra”, a tentativa ignominiosa de denegrir o governo e o primeiro-ministro, como é que depois de identificados os seus operadores centrais (jornais e televisões que noticiam investigações policiais desagradáveis ao governo), como é que depois de tudo ter sido descoberto ainda há orgãos de informação que noticiam factos destes?
«DIAP de Lisboa está a investigar a contratação de João Pedroso, decidida pela ministra da Educação, para fazer um trabalho jurídico que nunca foi acabado. (…)
«O valor recebido por Pedroso foi de 287.900 euros. O contrato por ajuste directo foi há pouco rescindido e o jurista terá de repor 133.100 euros. O saldo, a seu favor, é de 154.800. (…)
«Questionada na imprensa e no Parlamento, nomeadamente com base na existência de numerosos juristas nos quadros do ministério capazes de fazer esse serviço, a iniciativa da ministra foi justificada no final de 2007 com a “especial aptidão técnica jurídica na área da educação” de João Pedroso – um juiz com licença sem vencimento desde 1990, que não tinha qualquer currículo em Direito da Educação, que era à época professor em regime de exclusividade na Universidade de Coimbra e que tinha ocupado altos cargos nos governos de António Guterres.»

Pergunte-se à direcção do “Público”: é isto uma notícia??
Sugere-se a toda a gente “decente” e “vertical” que deixe já de comprar esse jornal (exceptuando os dias da crónica de Vital Moreira)!!

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

1 Response to Os “poderes ocultos” são ilimitados: até invadem o Ministério da Educação

  1. CV: inicia-te no Twitter y diz ao Almajecta para vir tb. Tenho uma amiga gira, havias de gostar … faziamos um grupo organizado para da cabo da mioleira à malta… Vá que 2 n chegam …

Os comentários estão fechados.