Obrigado por pensar

Folheando o P2 de hoje, deparo-me com o seguinte título:

Um think thank para melhorar as instituições públicas

Uma gralha, sorri. Passei os olhos pelo artigo:

“A família que criou o Grupo Jerónimo Martins quer partilhar o muito que tem recebido da sociedade e decidiu criar um think thank.”

“a família optou por uma espécie de think thank. Mas não exactamente um think thank, como os muitos que existem na Europa e nos Estados Unidos. “Por regra, os think thanks prosseguem uma agenda política ou ideológica específica”, explica António Barreto, que presidirá à administração da Fundação Francisco Manuel dos Santos”

Confundido, pensei: Este jornalista não sabe escrever think tank!

Depois reparei melhor no nome do autor do artigo.

“Por José Manuel Fernandes”

Nãa, o mundo é que deve estar enganado.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

10 respostas a Obrigado por pensar

  1. Desceste na nuvem para me fazeres ler um pág. na diagonal do Público …
    Engraçado reparar nas coisas q te fazem escrever um Post.
    Fugir aos Impostos leva-nos a ser criativos, né? …

  2. Luis Rainha diz:

    Estou mesmo a imaginar o criaturo: «Think? No, thanks!”

  3. helderega diz:

    “A família que criou o Grupo Jerónimo Martins quer partilhar o muito que tem recebido da sociedade e decidiu criar um think thank.”

    Se o objectivo é partilhar, como forma de agradecimento à sociedade, então não há gralha nenhuma, é um think thank.

  4. mlk diz:

    Este jmf deve ter tirado o curso de inglês ténico(sic!)……não há pachorra

  5. também reparei, mas gostei muito mais doutra parte…com 130 e tal milhões de euros de lucro anuais, não mudou de carro no ano x para dar o exemplo aos restantes gestores a quem pediu esse tremendo esforço…e depois explica o populismo, essa doença política provocada pelas crises….

  6. xatoo diz:

    foi um erro do compositor gráfico que não fará a minima ideia do significado dos caracteres que acasala
    o JMF é uma besta reaccionária, mas não é por aqui que deve ser atacado.

  7. Luis Rainha diz:

    Isso do compositor gráfico deve ser entidade que não é vista num jornal há décadas. Trata-se um de um erro comum, que começou no autor do artigo, passou pelo copy-desk, pelo revisor, até chegar às bancas.

  8. como já não há gráficos… hoje é o jornalista que insere o seu texto na paginação, directamente… e como se trata de um erro repetido várias vezes, só pode ser mesmo ignorância do escriba. tanto não gosto do homem e estas pequenas coisas dão-me gozo (confesso) porque acho que o tipo deve ficar puto da vida quando dá por elas…

  9. É um erro por ignorância ou distracção, mas o pior são os outros que o não são, e são muitos.

Os comentários estão fechados.