O provedor do chefe

kneepads_lico
Objecto de culto do novo jornalismo de referência, versão Marcelino

“Vi ontem, pela terceira vez (sim, confesso), um Jornal Nacional da TVI de sexta-feira e fiquei estarrecido: os 30 minutos iniciais foram um conjunto inacreditável de “peças” de ódio e perseguição, um delírio justiceiro que abrangeu toda a semana, a propósito e a despropósito. Depois houve um intervalo e o delírio voltou, repetido, como se fosse um qualquer programa de humor. Sei que não é politicamente correcto dizê-lo, e a TVI é muito mais do que “aquilo”, felizmente, mas “aquilo” é a desonestidade intelectual elevada a um nível sem precedentes. Coragem é outra coisa e não precisa de ser proclamada. Já agora: na ERC e na Comissão da Carteira não há ecrãs para ver este crime de lesa-jornalismo permanente à sexta-feira?”
João Marcelino, In Diário de Notícias de 14 de Fevereiro.

A acusação do processo Cova da Beira ter demorado 11 anos a ir a julgamento não interessa nada. O grande empreendimento imobiliário em Setúbal, que levanta polémica do ponto de vista ambiental e de ordenamento do território, ligado ao grupo BPN, ter sido aprovado por Sócrates em cerca de uma semana são peanuts. O verdadeiro jornalista, versão director do DN, é aquele que não incomoda. Para quê investigar se os press releases são tão coloridos.

Declaração de interesses: Sou jornalista há muitos anos e em muitos órgãos de comunicação. Fui director-adjunto do Já e Director da Focus. Em televisão, trabalhei para a RTP (programas), SIC e , neste momento , estou na TVI. Por isso, irrita-me ainda mais a insinuação de falta de trabalho jornalístico que o Sr director do DN faz.

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

25 respostas a O provedor do chefe

  1. Waiwan diz:

    O NRA acha então que aquela coisa às sextas-feiras é jornalismo!?Não posso acreditar.LOL
    O NRA não é jornalista? Este post carece de explicação.

  2. Roteia diz:

    Pensei que o Nuno, depois de ter reproduzido um texto sobre os extraordinários telejornais da TVI, nos falasse da sua própria indignação acerca daquela espécie deprimente de jornalismo…, afinal enganei-me. Pelos vistos aquilo é investigação jornalística de alto nível, não é?

  3. Luis Moreira diz:

    Como já aqui referi não me quero juntar ao coro dos que querem acusar Sócrates na praça pública.Até porque a CS já perseguiu muita gente inocente.Mas tambem não fico nada preocupado com a reputação do PS que ,já fez o mesmo a muita gente.Mas que são casos a mais e que Sócrates tem uma relação,no mínimo estranha, com a verdade, lá isso parece evidente.

  4. ASG diz:

    O que me parece inadmissível é o atrevimento de um jornalista (?) director de um jornal dito de referência, escrever tamanho arrazoado. Ainda por cima é queixinhas. Para quê invocar a ERC ?
    Não será, antes, uma tentativa de voltar à censura. Será que se está a candidatar a presidente da comissão? Será que já comprou os lápis azuis?

  5. ó Nuno (que familiaridade?!!!) também tanta cenha contra o ps podia ser um bocadito temperada.

    é que o painel escolhido pela tvi é de facto um asco, e se não tens nada a dizer sobre isso, então estás simplesmente enganado (assim mesmo!).

  6. Nuno Ramos de Almeida diz:

    Nuno Castro,
    Não tenho sanha contra o PS. Tenho 4 familiares directos entre os seus fundadores. Acho é que o jornalismo serve também investigar situações e pessoas, e revelar factos importantes para o interesse público.
    Não creio que os comentadores da TVI sejam “contra o PS”. Não penso que essa característica defina o Miguel Sousa Tavares, o António Perez Metelo e o Vasco Pulido Valente.

  7. Moialmas diz:

    Engraçado o João Marcelino vir atacar o jornalismo da TVI ele que dirige um jornal que faz diáriamente um “jornalismo frete ao Ps”!

  8. Luis Moreira diz:

    Moialmas, bem visto, mas de engraçado só tem o facto de mostrar à saciedade que estão ambos com uma função bem definida.E jornalismo de frete fede à distância, seja qual for a posição ideológica.E é uma vergonha.Outro tanto não díria se fosse jornalismo de investigação.Mas este dá trabalho de casa,é uma canseira!

  9. LAM diz:

    Por acaso vi esse telejornal da TVI.
    Aquilo foi uma coisa exacrável. Não pelas notícias que, como diz NRA, tinham e têm toda a oportunidade, mas pelo tratamento dado a essas notícias. À forma jocosa, digna de um mau programa de humor, com que as notícias que envolviam Sócrates iam sendo tratadas. Com gags, repetições de frases de debate na assembleia a propósito ou despropósito etc, etc.
    Repito, não foi pelas notícias, mas pelo tratamento nada profissional e com ar de encomenda como essas notícias foram tratadas.

    (penso não ser suspeito de alguma simpatia com Sócrates nem com o grupo de matrecos que o acompanha naquilo a que chamam “governo”.)

  10. Nuno Ramos de Almeida diz:

    LAM,
    A única peça com repetições foi a do cartaz do Pinóquio. Tudo o resto foi bastante clássico: Documentos, números, processos, entrevistas, dados novos. IE notícias. Em todo o lugar do mundo, o comportamento de um primeiro-ministro é um assunto importante. E está sob escrutínio público, político e jornalístico.

  11. chloé diz:

    Caros Nunos:
    Estava para comentar mas de repente vocês deram-me cá um engulho!
    E que tal uma boa ortografia? (por falar em qualidade…)
    Então é “cenha”, ou SANHA?
    Ai, ai… este accent isboeta baralha tudo na hora de escrever…

  12. Não percebo o choque dos comentadores… esta forma de noticiar a nossa “vida política” (ou que passa por ela) está 100% ao nivel da nossa classe política. Ainda não mereceram nada mais sério. De resto à falta de jornalismo de investigação em profundidade (coisa extinta há para aí pelo menos uns 10/15 anos) sobram as peças onde as coisas ficam insinuadas… não é o ideal mas também admito que as declarações de inocência dos visados não convencem – é como apanhar o lobo com a ovelha na boca mas ainda assim insistir na inocência do animal e culpar uma qualquer raposa…

  13. Youri diz:

    Eu não percebo bem o que te choca, ainda que trabalhes na TVI. Eu normalmente não tenho como objectivo defender a minha empresa, se achas que o teu trabalho está em questão compreendo – mas de facto desconheço esse trabalho, apenas conheço o telejornal da TVI, e é puramente execrável. Nem está em discussão se s telejornais da RTP e da SIC são melhores (não são muito melhores, já agora), o trabalho jornalístico é praticamente inexistente, e a TVI e o DN são belos exemplos disso. (qualquer coisa é exemplo disso, é raro ler uma notícia e ficar a perceber o que realmente se passa; e nos telejornais não pasa disso mesmo: umas ideias para o ar com uma contrução afinada de imagens)

    Aliás, iria bem mais longe que o pouco coerente director do DN: não há nada de jeito na TVI.

  14. Pedro diz:

    O João Marcelino, se fosse um gajo honesto e não um emissário político do PS, devia preocupar-se era com o verdadeiro escândalo do jornalismo televisivo actual: a RTP.

    Façam o que eu fiz até há bem pouco tempo: vejam as notícias na RTP e vão tomar um café com amigos que as vejam na SIC ou na TVI. Vão perceber que vocês não viram nem metade das notícias de que os vossos amigos estão a falar. E isto não é só o caso Freeport. A cobertura da actualidade internacional é paupérrima e cheia de incorrecções, a actualidade nacional é quase que reduzida às iniciativas governamentais e presidenciais e o espaço para a oposição é diminuto.

    E nem vou falar das constantes falhas técnicas, que são um total desrespeito pelo telespectador. E nem vou falar do Prós & Prós. A RTP está transformada no canal de televisão do gabinete de imprensa de São Bento, versão low-cost.

  15. RIBO diz:

    o Diário de Notícias é o salão de baile do PS.
    Já se sabia.
    Mas a questão é: como é que alguns bons jornalistas que labutam no DN suportam este sapateado na sua dignidade profissional?
    A crise entontece a clarividência, a crise emaranha a coragem.
    Mas até quando.
    Que será desta gente quando o viola solo do Marcelino deixar de ter lugar no conjunto?

  16. PJMODM diz:

    O “estarrecimento” tem uma componente subjectiva. O sr. marcelino está estarrecido por um telejornal de informação dar notícia das peças que o Nuno Ramos Almeida descreveu de forma sintética «”peças” de ódio e perseguição» (ele não se referiu aos comentários da apresentadora mas ao conteúdo das reportagens! )
    Eu, ao ver um jornal como o DN dirigido pelo sr. marcelino (ainda me parece uma grande perda para os futebois esta excelência do jornalismo deixar de se dedicar aos contratos que foram feitos vão ser feitos, etc, etc sem qualquer relação com interesses de empresários, nem clubes, nem negócios da bola), e o dito cujo pretender que a ERC cale o telejornal das sextas na tvi, o único que passa determinadas reportagens factuais, não fico estarrecido, nem surpreendido, de quem faz certos «serviços» não se pode esperar grande coisa, mas diligência nos «serviços» é coisa garantida.

  17. Cá Nada. Revelava algum desespero. Tipo: “ainda não perceberam?!”. Então a gente explica como se tivessem 5 anos … mas o berrozinho estava lá. Vamos repetir que é para perceberem melhor. Tipo aula de Formação. Enfim. Temos que aber os defeitos do Socras de Cor como a tabuáda. Y isto sobrepos-se a tudo o resto.

  18. A TVI ainda é único órgão televisivo que vai escrutinando o governo. Mas há quem prefira o jornalismo oficioso do DN e do seu director…
    E sobre Setúbal, não é verdade que foi dado o estatuto de utilidade pública a um plano pormenor ainda em gestação? E donde vem o dinheiro para este projecto imobiliário, se os seus financiadores, BPN e SLN, estão falidos? Dos contribuintes?

  19. LAM diz:

    Pedro,
    Isso, a falta de isenção (e mesmo de notícias quando possam pôr em causa o 1º ministro), é o que me faz nos últimos meses optar por um telejornal fora do canal público. Vou alternando assim entre a Sic e a Tvi.
    Mas, se de um lado chove…do outro troveja.

  20. mlk diz:

    Aqui está demonstrada,o quão são necessárias as Tv’s do balsemão,do cardeal pina moura (ao serviço dos vasconcelos…),dos amorins,dos mellos,e dos merceeiros da minha rua.é um pluralismo exemplar,sim senhor.E qto ao jornal(?) da tvi já não me dou ao trabalho de ver aquela nojeira de propaganda e difusor de tudo quanto é chunga e ordinário-são as virtualidades da democracia,mas democracia LIBERAL……………………..mortal.Idem,pra a generalidade dos ‘medias’ (como alguns especialistas da matéria dizem em vez de dizer media ,pq a incultura é vasta nas hostes jornaleiras).

  21. Carlos Fernandes diz:

    Vergonhoso, mas depois de eu (após ver o anúncio da iniciativa no Jugular) ver a presença in loco do Sr. Marcelino e do próprio Joaquim Oliveira, isto há algumas semanas, na Fnac do Centro Vasco da Gama aquando do relançamento (2ªedição) do livro da Sra. Câncio sobre as aréas suburbanas, não me admira minimamente este tipo de textos dele. Enfim, faço minhas as palavras sábias mais acima do comentador Luís Marvão.

  22. Antónimo diz:

    A peça do pinócrates é lixo – mistura alhos com bugalhos: as críticas do primeiro-ministro têm a ver com a referência cruzada ao Pinóquio na investigação dos ingleses e a peça da TVI só fala dos excessos de linguagem da Acção Socialista como se fosse isso que estivesse em causa nas críticas do Socas- o referido noticiário (desconto o estilo) no resto até pareceu bem.

  23. Esse Marcelino merecia era um pano encharcado. Ele e o seu “provedor” Bettencourt…
    Só neste país…

  24. Pingback: Foi você que pediu uma estrela na lapela? : O País Relativo

Os comentários estão fechados.