José Sócrates foi reeleito pela terceira vez secretário-geral do PS ao reunir 96,43 por cento dos votos

1102387627
O Santos Silva é o tipo em cima do gajo de pijama

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

20 respostas a José Sócrates foi reeleito pela terceira vez secretário-geral do PS ao reunir 96,43 por cento dos votos

  1. Tiago Mota Saraiva diz:

    O corajoso Alegre, ao que parece, não votou.
    A percentagem elevada não oculta a adesão de pouco mais de um terço dos militantes. Nem a campanha negra entusiasma a campanha rosa.

  2. Nuno Ramos de Almeida diz:

    Acho que parte dos que não votaram estavam a fazer compras em Alcochete

  3. Tiago. “Corajoso”??? Chama-lhe outra coisa.

    O Ernesto é mais armas químicas, ò, Nuno.

  4. Pingback: Status Quo - notas sobre a actualidade, por um portuense... | José Sócrates eleito

  5. Carlos Vidal diz:

    Isto pode ser chocante, mas encontro uma diferença entre os coreanos e o Sócrates: os nossos amigos coreanos pretende coreografar um mundo à parte do mundo. Morre-se de fome, não se sabe o que é falar (quase), mas consegue-se a energia criativa para encenar um mundo.
    O problema de J Sócrates é não saber o que é um mundo – apenas sabe (é tb o problema ou lema do PS) praticar pequenas espertezes, pequenas corruptelas, assinaturas verdadeiras ou falsas de objectos sem mundo, em suma, julga que sabe viver no mundo “dele” (que, felizmente, é só dele, coisa familiar, medíocre) – mas um mundo que é pequeno demais para se chamar mundo, nem sequer “lugar”. Lugarejo, talvez, e policiado por outros mais capazes.
    Assim se vai sustentando.
    Até quando não se sabe.

  6. CV. “os nossos amigos coreanos” estás a falar dos realizadores da Corea do Sul, só pode ser.

    Epá, y escreves sempre mais q a gente. Que mania. Y o Socras n tem a importância q tu lhe dás. Percebe lá essa coisa… pq é que te matas a falar do caramelo? N podias ser Secretário de Estado.

  7. jcd diz:

    Quantos votos teve o Louçã, no Bloco?

  8. “Acho que parte dos que não votaram estava a fazer compras em Alcochete”

    ISTO É QUE DEVIA SER O TÍTULO DESTE POST!!!
    (ainda me estou a rir…)

  9. Nuno Ramos de Almeida diz:

    Acho que a lista do Louçã concorreu contra duas e teve 70%, pq?

  10. Muito bom. E onde está a Zola?

  11. Caro Nuno Ramos de Almeida,

    Realço o facto de quase mil militantes do PS se terem dado ao trabalho de ir votar branco ou nulo.

    Cumprimentos

  12. mdsol diz:

    Como foi com o PP. Quase com o Bloco e, que se saiba, no PC a disputa não terá sido renhida…
    Entendo o exagero da comparação. Mas banaliza o que se passa na Coreia. E isso não presta grande favor ao esclarecimento das coisas. Mas isso digo eu que sei pouco…
    :))

  13. Nuno Ramos de Almeida diz:

    mdsol,
    Isto é uma piada. Mas é tb um sintoma. Apesar da liderança de Sócrates não parecer consensual, a verdade é que parece que o poder é um grande unificador.
    O tacho é uma espécie de amortecedor de dissidências. É bastante melhor do que a Coreia do Norte, mas é triste.

  14. LAM diz:

    Quem é o gajo de binóculos?

  15. mdsol diz:

    Ok. Nuno. Obrigada pela resposta.
    :))

  16. Nuno Ramos de Almeida diz:

    LAM,
    Acho que o gajo de binóculo é o Alberto Martins. A última intervenção dele na ida do Sócrates ao Parlamento foi directamente para os anais.

    mdsol,
    De nada. Você tinha razão. Os comentários tb servem para reconhecer a opinião dos outros.

  17. OLP diz:

    E vais ver reeleito o amiguinho Hugo esse grande democrata socretino até 2049. Ò se vais. Aquilo é que é democracia referendada ainda para mais.

  18. Tem razão o Carlos Vidal, em matéria de encenação ou construção de outros mundos, os nossos amigos socialistas (ainda) não chegam aos calcanhares dos norte-coreanos. Mas talvez o tempo e a persistência mudem o cenário.

  19. Pingback: O Frei Chico tinha razão. Dois coelhinhos numa cova e sai dali qualquer coisa : O País Relativo

Os comentários estão fechados.