Quando ler isso num daqueles relatórios “da OCDE”, talvez acredite

Maria de Lurdes Rodrigues não está grandemente interessada no parecer de Garcia Pereira que nega a obrigatoriedade da entrega dos objectivos individuais, por parte dos professores. «Não pedi nada ao dr. Garcia Pereira, portanto eu não tenho que valorizar o parecer sobre a avaliação», diz a ministra, que aprecia mais relatórios por ela encomendados e depois enfeitados com uma patine de coisa “estrangeira”.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

10 respostas a Quando ler isso num daqueles relatórios “da OCDE”, talvez acredite

  1. M. Abrantes diz:

    É o autismo habitual da senhora ministra. Já não é notícia, Rainha.

  2. Antónimo diz:

    Desde o início que o Governo apostou na tradcional inveja portuguesa para lançar os portugueses contra todas as corporações (que uso não no sentido usado no Estado Novo) que queria limpar. Uma ideia canalha que não cria vontades de colaboraçãos de ninguém, e até nem sequer daqueles que acham que há coisas a mudar. Manifestamente, a ministra da Educação também achou que era um bom método e foi incensada pela dita inteligência, sempre adepta do cacete, do autoritarismo e das soluções e reformas impostas.

    No entanto, gostava que os professores (nomeadamente os deste blogue) me explicassem uma coisa que já deixei mais abaixo e que transcrevo a propósito de uma sugestão do Ricardo Pinto:

    “É por coisas deste calibre que acho que esta é uma guerra em que ninguém tem razão: «terá em atenção a aula assistida, a assiduidade e a participação nas actividades lectivas.» Cada um se mostra mais acrítico e insensato do que o anterior. Dos professores, aos sindicatos, passando pelo Ministério e pela ministra

    No fundo o que se propõe é que o avaliem por ter dado uma aula que preparou e combinou com os estudantes (foi assim sempre que tive professores estagiáros), por ter ido trabalhar (assiduidade) e participado nas reuniões de preparação e organização lá da escola (actividades lectivas).

    Como é que uma classe inteira, de dezenas de milhares de pessoas, maioritariamente licenciada, acha que documentos deste género podem ser uma alternativos a uma burrice apresentada pela ministra?”

  3. Jeronimo diz:

    Como diria o grande Clint Eastwood: Opinions (“Pareceres”) are like ass holes. Everybody has one …

  4. Luis Rainha diz:

    E como acrescento eu: «mas só os dos outros é que cheiram a merda.»

  5. Luis Rainha diz:

    E escrever que uma lei não pode ser alterada por um decreto regulamentar parece mais coisa de bom senso do que de mera opinião.

  6. Jeronimo diz:

    Sim, claro. O mundo é mesmo assim. Há os bons, cujo rabinho só cheira a rosas e laranjas, e os maus, incompetentes, fétidos, mentirosos, feios, narigudos, etc. Obviamente que de acordo com o postador já se sabe onde cai Sócrates e todos aqueles que estejam de acordo com ele.

  7. Jeronimo diz:

    E quanto ao bom senso: nesse caso para que foi necessário pagar um balúrdio ao Garcia Pereira ? E só agora é que descobiram o bom senso ? Avancem já para tribunal e em força !! Com sorte podem obter uma providência cautelar que impeça todas e quaisquer medidas que ponham em causa os “direitos adquiridos”. E assim chegamos à brilhante conclusão de que tudo está bem como está.

  8. Luis Rainha diz:

    Como é que você passa da constatação de um processo legislativo atamancado para essa lengalenga dos “direitos adquiridos”? Vale tudo para o fim de os colocar em cheque?
    E quanto ao seu “obviamente”, olhe que se engana. Casos há em que dou razão a Sócrates – como na necessidade de aperfeiçoar o sistema de avaliação dos professores – apesar de não apreciar figura em si.

  9. Que nóia te acometeu para escrevinhares a Vermelho-rosa y verde SCP? Ser cusca neste contexo do cenário não é piroso … vá lá. Conta.

  10. LR. Essa Ministra é um bocadinho anti-líbido y o outro moço tb. Queres contribuir para a a-ssexualização da blogosfera?. Tá mal. Mal pensado …;)

Os comentários estão fechados.