E no entanto é tão simples

João Pinto e Castro continua sem entender bem como é que Francisco Louçã resolveria a crise do BPN. Depois de colocar 3 hipóteses a leste, acaba por concluir: «O meu prognóstico é que o Bloco optará antes por convocar uma manifestação de protesto contra os banqueiros.» Como é fácil desligar o sonotone e fazer de conta que os outros é que não se explicam bem. Ainda há minutos vi o homem na RTP 1 a explicar outra vez a sua sugestão: que se tivesse nacionalizado todo o (lucrativo) grupo SLN, que cresceu à sombra do BPN, e não apenas o banco, em cuja cave os buracos parecem não ter fim. Pode ser má ou boa solução, mas existe, ao contrário do que finge JPC. Se calhar não era difícil prestar alguma atenção; mas tem muito mais pilhéria encerrar a prosa com um arrebatado e soberbo «Que falta de paciência para aturar garotos.»

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

10 Responses to E no entanto é tão simples

  1. Pingback: cinco dias » A minha modesta contribuição para um debate de esquerda

Os comentários estão fechados.