É da minha vista, ou o João Miguel Tavares está a clamar pelo fim da própria avença?

Escreve ele: «pode ser mais livre, mais irreverente e por isso mais corajoso um tablóide de títulos garrafais que pague as suas contas no final de cada mês do que um muito pomposo jornal de referência que dê prejuízo ano após ano. Algum dia se tem de acordar do sonho.» Escreve ele no DN, note-se. O local onde hoje em dia será mais corajoso assumir que «mais vale um jornal morto do que um jornal refém do poder».

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

Uma resposta a É da minha vista, ou o João Miguel Tavares está a clamar pelo fim da própria avença?

  1. «pode ser mais livre, mais irreverente e por isso mais corajoso um tablóide de títulos garrafais que pague as suas contas no final de cada mês do que um muito pomposo jornal de referência que dê prejuízo ano após ano. Algum dia se tem de acordar do sonho.»

    Creio que o João Miguel está indirectamente a defender a tabloidização do DN.

Os comentários estão fechados.