Um dia tinha de acontecer

Nunca pensei ver-me a concordar com o blasfemo CAA e, em simultâneo, a recomendar a leitura de um artigo do Mário Crespo. Mas trata-se de um conciso sumário do ambiente que se respira na fossa para onde nos deixámos deslizar. E não há Zolas de pacotilha que desmintam isto.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

15 respostas a Um dia tinha de acontecer

  1. Chari Chari diz:

    “Façamos de conta que o ministro da Presidência Pedro Silva Pereira não me telefonou a tentar saber por “onde é que eu ia começar” a entrevista que lhe fiz sobre o Freeport e não me voltou a telefonar pouco antes da entrevista a dizer que queria ser tratado por ministro e sem confianças de natureza pessoal.” M. Crespo

    Este Crespo não é de fiar. LOL
    Verte em artigo de opinião conversas privadas!! Ainda por cima sem nada de mais. O que é que tem de especial saber por onde começa a entevista!!? E dizer que quer um tratamento adequado, o que é que tem de extraordinário?!! Enfim..

  2. Chari Chari diz:

    A deontologia deste Crespo diz muito do jornalismo que temos.
    Façamos de conta que este jornalismo está a funcionar e consagremos. Consagremos, já que temos a valsa começada, e o nada há-de acabar-se como todas as coisas. Consagremos Crespo, Fernandes, Saraiva, Moura Guedes ou o que quer que seja. Consagremos por unanimidade porque de facto não interessa. A continuar assim, é só a fazer de conta que consagramos.

  3. Luis Rainha diz:

    Não temos, naturalmente, de “consagrar” peva nenhuma para ver o acerto desta súmula. Está ali escrita alguma falsidade?

  4. ai, ai, ai, ai as dores de barriga que por ali vai … soltura, soltura
    LR! Toma Juizinho … aquilo n é nada, é queixinhas, queixismos … a do ministro da presidência revelao carácter a puxar pró “tiÚ” ( percebes?). Pois. Lê outra vez. Controla a emoção. Tá.

  5. Exactamente Chari-Chari … Só dps fui ler os comment’s. Deves ter lido Proust. Para captar tb a nulidade y tonteria do Cresposo … oncord contigo, mas esta malta gosta muito de arraial y foguetes … fogo de vista. Aquilo é descontrolado até à mediocridade. Y o pessoal fica contente. Dah!

  6. LR: a gent sabe lá o que é que ele disse ao Ministro da Presidência, p. exemplo … tá a ver?
    ……………..
    h ehe ehe a minha vizinha tem mais graça a falar desses “jeitosos” que na falta da mama da mâe, mamam tudo y outras coisas hilariantes que ela diz, com mais espírito.
    …………….
    … Agora a sério. Aquilo é soltura incontinente.

  7. Luís: talvez não haja ali nenhuma mentira, mas tudo o que é dito não possui, em si, nada de grave a não ser a demonstração da falta de nível do sujeito da eloucução.

  8. helderega diz:

    Façamos de conta que o MC não é um coca-bichinhos, mas sim um grande jornalista que não se colocou de cócoras perante AJJ.

  9. Luis Rainha diz:

    O problema é que se trata de uma coincidente acumulação de “nadas” que já começam a bastar para fazer um lindo retrato do que por aqui se vai passando.
    E sim; sei que o Crespo é execrável, mas isso não retira piada à formulação da coisa – exceptuando o contributo do dito cujo, aquela coisa do ministro de que não se entende a relevância.

  10. A acumulação de nadas nada mais é uma acumulação de nadas, Luís. Para essa acumulação ser um todo orgânico é preciso bem mais do que esses pequenos nadas. Aliás, a ausência de sintaxe desta lista de nadas é um sinal poderoso de que não há aqui qualquer trama, entriga ou narração. E é isso que o Crespo não percebe. Chega a ser ternuramente infantil.

  11. Bem. Parece que o Caso-Freep. ainda n foi cancelado, né?
    Ninguém sabe tb qual a posição do PM face à invetigação das suas “manobras” bancárias. Ele ainda n disse nem ai, nem ui.

    …………………
    Cá por mim encurtar o caminho entre LX y Madrid é uma espécie e WildCard para o Paraiso, faz de conta.

  12. fernando antolin diz:

    E estava você a pensar que a brigada dos Zolas de pacotilha não aparecia!! Claro que sim,como as formigas a quem inundam o formigueiro. Aliás l’accusatrice em pessoa já saltou a terreiro,para malhar num colega de profissão,lá pelo “jugular”.

  13. Pingback: cinco dias » Haja gente com coragem neste pântano em que se tornou Portugal!

  14. Tanta excitação por um artiguelho !

  15. Lurdes diz:

    Deontologia??? só os pidescos neo-socialistas é que confundem jornalismo com opinião… gostavam de calar as pessoas não é? azar!!

Os comentários estão fechados.