«Portugal é um paraíso», ou uma conversa de reboque

A frase, sem ponta de ironia, foi-me dita por um ucraniano com quem conversei alegremente, ontem, durante cerca de meia hora.
Alegremente é como quem diz! O meu velho Clio de 1993 voltou a avariar e o ucraniano, da Assistência em Viagem, conduziu-me a uma oficina em Leça no seu reboque. Já não se perdeu tudo: passei uns bons minutos de conversa, vi Portugal através dos olhos de alguém que vem de fora e ainda ganhei assunto para um «post».
«Portugal é um paraíso», começou por dizer. Primeiro em relação ao tempo – ontem esteve um sol radioso aqui pelo Porto. Ainda lhe disse que ultimamente não tem estado lá muito bom, mas ele olhou para mim com estranheza, como se estivesse a pensar no frio que rapou na Ucrânia enquanto lá viveu. Ainda assim, lembrou-me que o Inverno é mesmo assim, com frio, chuva e neve. E este está a ser um Inverno à moda antiga, como já lhe disseram alguns velhos.
A seguir, passou para a análise económica. Qual é o país do mundo (não da Europa, do mundo!) onde um casal que queira trabalhar pode comprar um apartamento, tomar o pequeno-almoço no café todos os dias, ir sempre almoçar fora, jantar em casa e, ao fim-de-semana, ir comer a um bom restaurante?
Porque nestas coisas não vale a pena estar a entrar em grandes discussões, quis saber algo mais sobre a Ucrânia. O meu amigo de Leste, cujo nome nunca cheguei a saber, mostrou-se muito desiludido e disse desde logo que não pensa em regressar. Que os políticos, lá, são paneleiros e corruptos. Mas o pior, na sua perspectiva, é o próprio povo. Não querem fazer nada, só querem é beber até cair para o lado. «Vodka», disse eu, mas parece que não só. Hoje em dia, só lá está a ralé, os melhores vieram embora.
Curioso, decidi perguntar se estavam melhor nos tempos da União Soviética. «Sim, muito melhor», respondeu-me. É verdade que não tinham liberdade de expressão e que praticamente estavam impedidos de sair do país. Mas em contrapartida, a saúde era totalmente gratuita e era a melhor do mundo; a educação de grande qualidade e totalmente gratuita; tanto o pai como a mãe, ambos operários em fábricas gigantescas, tinham 25 dias de férias por ano e uma viagem de borla, todos os anos, ao Mar Negro.
«Regressando» a Portugal, falou-me da mulher e da filha, uma miúda de 11 anos que estuda actualmente no Colégio Paulo VI, em Gondomar. Quis então saber por que razão não inscreveu a filha numa escola pública. Disse-me que ainda pensou na E B 2 3 do Monte da Burra (Rio Tinto), mas, quando lá chegou, não gostou do ambiente. Na Secundária de Rio Tinto, disseram-lhe que não havia vagas. Foi então ao Colégio, que inicialmente recusou a matrícula, acabando por aceitá-la depois de ver o excelente percurso escolar da aluna até então (assim se explica, pensei eu para os meus botões, por que razão os colégios privados têm sempre tão bons alunos).
Estávamos a chegar ao destino. Ainda teve tempo para um apontamento de culinária – aconselhou-me a provar um prato típico da Ucrânia chamado Barszcz – ao que parece, é uma sopa de beterraba que também se come na Polónia e que tem um sabor agridoce por levar, em quantidades iguais, vinagre e açúcar.
No final, deu-me o contacto de um mecânico de confiança, onde trabalhou algum tempo quando chegou a Portugal. Dá jeito. Que este Clio, que já vai no segundo motor e nos 200 mil quilómetros, não está para grandes andanças. Se ao menos me aumentassem o ordenado aqui no «5 Dias», para eu poder comprar um carro novo…

P. S. – Propositadamente, não introduzi no texto a minha opinião ou informações adicionais acerca da Ucrânia no passado e no presente. Afinal, foi apenas uma conversa de reboque…

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

8 respostas a «Portugal é um paraíso», ou uma conversa de reboque

  1. Muito barile, R. Mais 200 páginas y concorres à Leya!

  2. Luis Moreira diz:

    Ricardo, quanto ao carro vamos avançar e depressa porque o PM vai mexer no IRS e nos sinais exteriores de riquesa,ele avança todos os dias com ideias novas e porra, não te vamos oferecer um clio, tem que ser um carro à maneira.Olha lá, e se compras agora um carro e daqui a 3 meses aparecem os carros eléctricos?Com deduções e baixo consumo? Não sei,não.

  3. rms diz:

    Parece-me evidente que Portugal é um paraíso visto por alguém a caminho de Leça. Só por isso.

  4. ingenuo diz:

    “assim se explica, pensei eu para os meus botões, por que razão os colégios privados têm sempre tão bons alunos”.

    coisa horrorosa, seja la pq razao, haver colegios com bons alunos. o melhor ‘e espalhalos e misturar com os maus.

    o ucraniano e’ realment esperto ao revelar uma optima escolha na escola!!

    • Ricardo Santos Pinto diz:

      O que eu quero dizer é que os colégios têm bons alunos porque podem seleccioná-los, só escolhem os melhores. Ao contrário das escolas públicas, que têm de aceitar todos. Por isso é que às vezes ficam à frente nos «rankings», não porque tenham um ensino melhor.

  5. Sempre os espertos do ensino privado…! dêem um cheque ensino a essa gente de vez; o que sobrar do pagamento aos privados ponham a render na bolsa com o conselho de que não o façam nos “lixos tóxicos” e que transformem “já” a “educação” numa mercadoria genética rentável.
    Aos que não couberem no privado, atem nos com uma corda à cintura e pendurem nos a um poço! assim o pessoal até tem com que se divertir.

  6. Maria Velho diz:

    Já leu o “apocalipse dos trabalhadores”? se não leu , leia.

  7. carlos mata diz:

    políticos paneleiros e corruptos? Um mimo!…

Os comentários estão fechados.