Maré alta

A Onda é um filme muito interessante baseado numa experiência real. Nada é imutável, tudo é possível. Até o pior. O filme é talvez impotente para explicar que o totalitarismo encaixa-se bem no hedonismo liberal. Esta necessidade de sentido é um apelo muito forte que as compras do centro comercial disfarçam, mas não preenchem. A respeito de um certo apelo totalitário, há, também, este filme bastante perturbador, uma espécie de parábola nietzschiana, do triunfo da vontade.

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

2 respostas a Maré alta

  1. Surpreendes-me. Não sabia que falavas alemão.

  2. Nuno Ramos de Almeida diz:

    🙂 Por acaso, vi o filme com legendas em Inglês, mas só encontrei um trailer em Alemão. Mas dá para entender bem. No outro dia, coloquei a Ascensão , da Larisa Shepitko em Russo e ninguém se queixou. Como tu sabes, melhor do que ninguém, quando as imagens estão bem montadas, consegue-se perceber mesmo sem ouvir o texto.

Os comentários estão fechados.