Edmundo Pedro e Augusto Santos Silva


Edmundo Pedro nasceu em 1917 em Alcochete. Foi operário e correspondente comercial, entre muitas outras ocupações. Aderiu à Federação das Juventudes Comunistas Portuguesas em 1931. É preso pela primeira vez no ano seguinte, com 15 anos apenas, por estar a preparar uma greve nas oficinas do Arsenal do Alfeite. Libertado um ano depois, começou a organizar movimentos de agitação e de propaganda nas Escolas Industriais. Voltou a ser detido em 1936, passando pelas prisões do Aljube, Peniche e Caxias antes de embarcar para o Tarrafal, em Cabo Verde. Era o mais jovem prisioneiro político daquele campo de concentração. Regressou 10 anos depois, numa altura em que fora suspenso pelo PCP pelo facto de ter encetado uma fuga sem autorização. Entre 1962 e 1965, conheceu mais uma vez as paredes da prisão, depois de ter participado no assalto ao Quartel de Beja. Depois do 25 de Abril, aderiu ao PS. Por este Partido, foi eleito Deputado à Assembleia da República na I e na III Legislaturas. Pelo meio, uma passagem pela Presidência da RTP, altura em que voltou a ser preso, acusado sem fundamento de estar a armazenar material de guerra. Estava, isso sim, a juntar as armas que tinham sido entregues ao PS no «Verão quente» de 1975 e que, agora, o Exército mandara devolver. Foi absolvido meio ano depois. Alguns anos depois, regressou ao Parlamento, na V Legislatura, mas em regime de substituição.

Augusto Ernesto Santos Silva nasceu em 1956 no Porto. Licenciado e doutorado em Sociologia, lecciona desde 1981 na Faculdade de Economia do Porto. Em 1998 e 1999, foi Pró-Reitor da Universidade do Porto. Durante o XIV Governo Constitucional, exerceu 3 cargos distintos: Secretário de Estado da Administração Educativa, Ministro da Educação e Ministro da Cultura. Foi eleito Deputado à Assembleia da República, pelo PS, na IX e na X Legislaturas. Nesta, não assumiu o mandato, uma vez que integra, como Ministro dos Assuntos Parlamentares, o XVII Governo Constitucional. É autor de uma obra considerável na área da sociologia e da política.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

9 respostas a Edmundo Pedro e Augusto Santos Silva

  1. “obra considerável” pois é! Experimenta espreitar 1 décimo do conteúdo dessa obra considerável.
    Meu D/deus! Este povo venera mesmo gente Burra! Quanto mais broncos mais vassalos y admiradores conquista.
    Já agora: Sublinha lá: OAugusto Santos Silva não Tirou o Doutoramento como O Ilustre Louçã! Já agora, para que conste!

    • Ricardo Santos Pinto diz:

      Calma, amiguinha. Então não eras tu que veneravas o Santos Silva?
      Em relação à “obra considerável”, falava da quantidade. Mesmo assim, terei exagerado. Escreveu 16 livros. Então eu, que escrevi mais de 30 e tenho quase metade da idade dele, o que seria considerado?
      Quanto ao doutoramento, a fonte é o Portal do Governo.
      “Vassalos e admiradores”? Tens a certeza de que estás a falar de mim?

  2. http://www.wook.pt/Authors/detail/id/5834
    Só mais umas pistas para saberem quem esse BURRO do Augusto Santos Silva. Cotadinho dele é tão limitado intelectualmente que dá dó y piedade.

  3. rita diz:

    Mais um que foi acusado sem fundamento. E nascido em Alcochete. Isto é só coincidencias. Já ali havia a praga de alcochete.

  4. Ora Ricardo: Não sejas egoCêntrico. Falo do Povo que adora tb o Manuel Alegre que tem livros de poesia, mas não escreveu um verso de jeito ( tirando as trovas do vento que passa)… ou dsses gajos que por aí publicam às resmas y são actores de empretada y etc.
    Y calminha não posso ter! Pois, o AErnestoSS o que faz tem conteúdo y pensa bem. Y penso que o Povo nunca gostou de gajos Inteligentes, ficam despeitaos no seu património genético. Y tenho Dito!
    Vá, lê qq coisa do Ernesto ( acho que o LR é da área do ASS y pode dar uma boa sugestão, uma que consideres … n vale a pena eu estar aqui com recomendações)

  5. Os meu comment’s primeiros eram de furrrrrrrrrria irónica…

  6. pcarvalho diz:

    ss,o génio

    do mal!

  7. gajo porreiro diz:

    “De Puta Madre”…..¿Comentarista “espanhol”?

  8. ribas diz:

    Quanto mais adiante me prolongo na leitura do Livro de Edmundo Pedro, mais me capacito que estes jovens ditos defensores das liberdades e garantias, do século XXI e que estão à frente dos destinos deste país, são uns meros juvenis no conhecimento das reais fraquezas.

Os comentários estão fechados.