obra ao negro

lamainnerval

Podemos então concluir que coube hoje ao Sr. Eng.º Rui Gonçalves assumir o papel de uma espécie de Muhammed al-Sahaf para a difusão, ainda que sob a forma de insidiosa suspeita, de uma já ventilada campanha negra.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

Uma resposta a obra ao negro

  1. Camelo no buraco da agulha? diz:

    Pois é… cada um vê e ouve aquilo que lhe apetece (pelos vistos).

    Diz o Povo: o pior cego é aquele que não quer ver!

    Afinal, no dia 17 de Janeiro, ele estava na tal reunião ou estava em Tóquio?

    Houve mais intervenções, não houve?
    Viram o fundamento da carta rogatória da PJ portuguesa?
    Ouviram que projectos imobiliários são sempre suspeitos?
    Ouviram que os “suspeitos” nunca foram ouvidos pela PJ?
    Ouviram que Portugal perde respeito no exterior com as fugas de informação?

    As dúvidas podem ser desfeitas através do vídeo (ou este será também suspeito se for da RTP?).

    O programa (e a jornalista) já tem uma longa história.
    O PR (suspeito?) até já lhe reconheceu mérito!
    Mas para alguém aqui… começou hoje e é suspeito.

    Vale tudo… e “cada cabaça, cada sentença”

    Amanhã (logo) há mais. Há sempre mais.

Os comentários estão fechados.