Caso Freeport (3)

“Manuel Pedro disse a João Cabral que ‘tinham de se desenrascar’ porque ‘o Sócrates já tinha os 400 mil’. Falaram depois de 100 mil euros que a testemunha garante não saber a quem se destinavam. Mas que garante serem igualmente comissões para que o processo fosse aprovado.”

De acordo com a notícia do Correio da Manhã, estas são declarações de uma assessora de Manuel Pedro, prestadas em depoimento à Polícia Judiciária de Setúbal em 2004.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

8 respostas a Caso Freeport (3)

  1. Bolas! Ninguém acrescenta um Zero? Sempre ficava mais televisivo y internacional, né? …

  2. Camelo no buraco da agulha? diz:

    A testemunha tem nome. E numa segunda audição retirou o Sócrates!
    E o que dizem o Manuel Pedro e o João Cabral?

  3. Tiago Mota Saraiva diz:

    Camelo no buraco da agulha, não tenho a sua informação privilegiada.

  4. Luis Moreira diz:

    Pois é, Tiago, falta dizer que a senhora assessora surda (pormenor delicioso)
    pediu para ser ouvida segunda vez e retirou o nome de Sócrates.Não é bonito,Tiago!

  5. Luis Rainha diz:

    Retirou. E então?

  6. Luis Moreira diz:

    E então, o nome de Sócrates não consta em nenhuma lista da PJ!

  7. Luis Rainha diz:

    Diz você. E digo-lhe eu que confiaria 100 vezes mais na polícia inglesa do que na PJ.

  8. Luis Moreira diz:

    Nisso estamos de acordo, mas não necessáriamente neste caso. Até porque ainda ninguem percebeu qual é o papel dos beefs! Mas na PJ a senhora foi lá dar o dito por não dito.

Os comentários estão fechados.