A fossa agita-se

«É ano de eleições». Que boa e completa desculpa para o retorno à luz da opinião pública de mais um escândalo manhoso. Paulo Portas já usou esta cantilena em todos os registos imagináveis, do seguro barítono ao estrídulo soprano; e nunca deixa de convencer quem se quer deixar convencer. Surge mais um escândalo em redor do PP? É a resposta à subida nas sondagens. Ou coisa que o valha.
A corte de Sócrates esgotou este arsenal logo nas primeiras horas de peleja. Depois, sacaram das armas exóticas: “o Freeport está na moda!”; “é um caso como tantos outros, apenas acirrado pelos media” (como se pululassem por aí “casos” comprometedores para primeiros-ministros); “os ingleses são uns crápulas e nós temos o vício da sua veneração”.
Que a própria Procuradoria embarque nesta parada carnavalesca para néscios e idiotas úteis, não nos deve surpreender. Ao fim e ao cabo, importa combater a certeza fatal que em todos se instalou: se não fossem os media e as autoridades inglesas, nada se passaria, nada de nada se teria passado. Como sempre. Cada nova nuvem de areia lançada para os telejornais, das famosas cartas rogatórias (que até já nem têm nada a ver, em rigor) à teoria da “moda”, é mais uma manobra negacionista e claramente utilitária. Imagino com facilidade um pelotão de mangas de alpaca a soprar o pó a documentos quase perdidos, mal os ingleses começaram a prestar pública atenção ao reles imbróglio do Freeport – que vergonha, cairmos ao mesmo nível de inépcia de um qualquer califado de Mugabes, alvo do ridículo e da atenção de comuns polícias.
Depois do pântano, estamos a escorregar para a fossa. Quem faz de conta que ignora isto é porque já lá está no fundo e precisa de alguns tontos em que se apoiar antes que se afogue.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

5 respostas a A fossa agita-se

  1. Este mal estar temporário que se está a viver (se o Ronaldo ganhar mais algum prémio o comum dos portugueses volta às suas preocupações habituais) apenas revela o verdadeiro funcionamento interno das nossas instituições e expõe as ligações de influência que existem entre os vários grupos políticos e sociais no sentido de manter uma ordem que é útil a muito boa gente. Isto não é sustentável a longo prazo… quanto mais não seja porque em pouco tempo é possível comprometer praticamente todas as figuras de relevo do regime e os que esperam substitui-los no futuro (os que estão na sombra dos aparelhos partidários).

  2. Eu a pensar que estavas a escrever a biografia oficial do Carlyle …

  3. Luis Moreira diz:

    …se não fossem os polícias ingleses…

    Como sabe,LR, a procuradora acaba de dizer na televisão que os ingleses só fizeram o que lhes foi pedido pela polícia portuguesa! E agora ?

  4. Carlos Vidal diz:

    Luís Moreira

    Você é teimoso:
    a carta rogatória foi enviada a pedido da Polícia portuguesa ?
    Ou responde a isto, ou deixa de invocar que tudo está a ser feito a pedido da Polícia portuguesa !!!

  5. Luis Rainha diz:

    E agora continuo sem acreditar nisso.

Os comentários estão fechados.