O que nós, enquanto grupo armado, pretendemos (uma “alegoria”)

georgegrosz12
(Grosz)

E ainda não chegámos ao núcleo do problema (ver photo).

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

3 respostas a O que nós, enquanto grupo armado, pretendemos (uma “alegoria”)

  1. O núcleo núcleo é o “cu do burro”, o cruzamento das duas diagonais, o ponto mais forte na composição segundo a teoria do Arnheim

    Arte Y Percepción Visual – Psicologia de la Visión Creadora

  2. Carlos Vidal diz:

    Está certo caro amigo, certíssimo. Bem observado. E é correcto, mesmo em termos de conteúdo: quer dizer, podemos reparar que o burro vira o cu, quer para os que jugulam, quer para os que se deixam jugular. Parece-me que o marechal é tão grotesto quanto desprezíveis são aqueles que se deixam subordinar. Sabendo que o quadro é do Georg Grosz, compreende-se – detestava vítimas, e era um indivíduo de péssimo feitio.

  3. O grande e corrosivo George Grosz!
    tive a felicidade de ter visto alguns dos seus trabalhos.
    um abraço amigo

    Ps. e o Almajecta, está absorto no horto?

Os comentários estão fechados.