Já agora, expliquem-me isto com uma “colagem” (talvez o “Jugular”, que ressuscitou de um merecido coma profundo)

grosz19
Georg Grosz (colagem, 1919)

Charles Smith, antigo representante da Freeport, o tal filantropo que o tio de J Sócrates disse ter posto em contacto com o sobrinho para que o projecto se desbloqueasse, ontem, C. Smith, disse nunca ter reunido com J Sócrates, em 2002 ministro do Ambiente (e com a tutela da área natural protegida onde o gigante ia ser implantado, como se sabe).

Contudo, na mesma notícia lemos:
«José Sócrates garantiu ontem que a única reunião que manteve com responsáveis da Freeport aconteceu a pedido da autarquia de Alcochete e destinou-se “apenas a apresentação das exigências ambientais que tinham levado ao chumbo do projecto” por duas vezes.»

Bom, reuniu ou não reuniu? Reuniu com os tais responsáveis e entre eles não se encontrava Charles Smith? O tio pôs Smith em contacto com o sobrinho. Smith nega agora reuniões com o sobrinho. O sobrinho, nosso primeiro-ministro, diz que reuniu com os «responsáveis». Por acaso, estava lá o sr. Smith? Ele também era «responsável» da Freeport, ou não? Ou era apenas «representante» e não «responsável»?
Enfim, vou voltar ao trabalho noutras andanças, que disto não percebo muito. Quem perceber que me escreva.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

16 respostas a Já agora, expliquem-me isto com uma “colagem” (talvez o “Jugular”, que ressuscitou de um merecido coma profundo)

  1. miguel dias diz:

    Não sei se lá leu. mas recomendo-lhe esta pérola.
    http://jugular.blogs.sapo.pt/658943.html

  2. miguel dias diz:

    Só cheguei agora. Entretive-me a fazer joging no juguloging para ganhar condição físíca e ritmo competitivo, para as verdadeiras partidas desta grande catedral do desporto rei, e não dei pelas horas. Mas vejo que cheguei tarde. Até amanhã.

  3. Carlos Vidal diz:

    Caro Miguel
    É assim mesmo. Obrigado pela lembrança.
    P. Pinto é F. Câncio. Esta também não existe, é outra.
    Não vão apodrecer na cadeia, claro.
    O que é espantoso é aquela equipa de 13 personagens (13!!) ter demorado mais de 24 horas para parir aquele texto que me refere. Este, releia-se:
    http://jugular.blogs.sapo.pt/658943.html
    24 HORAS e 13 indivíduos para isto !!!!!!! Bravo.

  4. João diz:

    é pá…
    o braço armado na blogosfera…
    sim senhor…
    e o nuno de regresso ao pc…
    parabéns…
    o regresso do filho pródigo….
    façamos a festa…

    estes jugulares são um mimo…
    e o sucesso do 5 dias sem eles deve-lhes fazer muita confusãosita…
    muito mais que estes casos de que já há 15 posts

  5. he he hehhe eh! Cheguei! Pra ir ficando …

    Mas aonde é que vocemeces andam com a cabeça? Posso Saber??
    Ainda por aí algum esperto que me explique:
    Porque é que um “cromo” já nosso conhecido ( até! y até sem ser por boas razões) compra uma Empresa – sabemos lá porquê y parece que ele tb se dá conta tare que afinal n sabia muito bem, mas que dá ouvidos ao zumzum que há uns trocos etc ( economia Inglesa 5 milhões é troco de algibeira, desmintam lá para eu me atirar pró chão a rir!) Y Ministro y etc y vai daí ZÀS! Investigação! – Ou seja: O gajo comprou foi uma GRAND PARRÒDIA: ACHINCALHAR UM POVO! UM PAÍS! y nada mais fácil que a BELLA MARIONETTA Um Apetitoso Ministro!

    Pois eu cá proponho um imediato pedido de DESCULPAS aos divertidinhos dos Ingleses! Que vão lá comprar brincadeiras com os seus reizinhos, princípes y ministros y outros subditos!

    Realmente: Eu gostava mesmo que Alguém me decifrasse esta coisa do Cromo ( Já nosso conhecido!) andar a investigar o paradeiro de “5 cêntimos”… Alegando “que por isso – os 5 cêntimos” – fez um mau negócio” F-se! Mas quem é que se dispõe a cair no ENGODO????

    Eu cá recomendo: CRIATIVIDADE! INGLESES PRÓ-Cara…o!
    Pois a gentesabe muito como bater no JSocrates sem precisar de histórias de corrupções de meia tigela!

    CV. vai por mim… ( Olha que o JS é bicho que me turva a alma com a coinceneração na Arrábida! Mas não vou nesta!!! nem quero saber qual o papel dele, absolutamente secundário … vá não entres tb no jogo do caramelo Inglês!)

  6. Da-se diz:

    É cada vez mais chocante o rastejar de certos vermes, de que o autor do post do Jugular, seja lá ele quem for, constitui exemplo acabado.

  7. ana diz:

    Não fala com os seus colegas? É que o Smith não era, de certeza, responsável do projecto…anda danadinho para atirar pedras, não anda?

  8. Carlos Vidal diz:

    Era apenas «representante» e não «responsável» ?
    E o tio de J Sócrates era amigo do Smith.
    E mandou-o falar com o ministro para quê?
    Para se safar de extorsão.
    Então, está bem.

  9. HelderEga diz:

    Um conselho para o puta madre: se beber, não comente!

  10. HelderEga,
    Não existe “O”. Logo: não se troque.
    Y gostava mesmo de Saber porque é que o Inglês qis saber para onde foi parar o $$$. Não é por nada, mas ele não comprou uma empresa, comprou uma paródia, ou não fosse ele o Carwild.
    Y um conselho para o HelderEga: veja lá que papar muitas óstias acaba por por se intoxicar com améns y acaba a balbuciar méé-mééé-mééééé-mééééé.

  11. almajecta diz:

    Ó Carlos francamente, faz algum sentido, tem algum significado ou realmente conteúdo toda esta bambochata dos teus comentários, dichotes sobre as economias privadas das pessoas, y como refere a proficiente madrecita, estás a imiscuir-te na vida íntima de uma bella marionetta sendo tu um dos que não pretende doutrinar, apenas oferecer propóstas, possibilidades de discussão, ilustrada por esta bonecada narrativo-colorida e escatológica de banda desenhada, para aumentar o livre jogo das ideias e concepções. Uma nausea estes bonecos borratados, colados, inacabados, coloridos a cinzento.
    E porque será que não postas imagens do grande incompreensível para as massas, Maiakovsky?
    Põe os olhos no blog da cara lavada, clean, organizado, disciplinado, muito bem agenciado, sóbrio, discreto, de leitura fácil, pacificado, flatness, homogéneo e agradável, enfim e para concluir: a anatomia da rerum natura.

  12. Carlos Vidal diz:

    Ó grande Jecta, ainda bem que me avisas, pois eu gosto muito do rerum natura naturalis. E gosto das pessoas que por lá andam, pululam, sobretudo a que conheço vista daqui.
    Gosto de pessoas que lavam as mãos quinze vezes por dia, que usam luvas de cada vez que vão a uma casa de banho pública, nem que seja para fechar a torneira onde pictios e sculptos e chulos e tudo isso põem os dedos contaminados de subjectividade e sexismo, caramba. Gosto dessa gente cuidadosa que se alimenta saudavelmente de bífidos activos dezasseis vezes ao dia, pesando a carne e o peixe que consomem, controlando a saúde física e mental, e se reunem periodicamente para comunicar e trocar impressões em vista da chegada amigável a consensos comunicacionais e relacionais.
    Olha bem que lição essa gente nos dá, a nós chulos da subjectividade.

  13. miguel dias diz:

    Ó Vidal, vocês não são chulos da subjectividade. Vocês casaram com a dita, que, para além de infiel, tem vícios caros. Os meninos que são uns miseráveis sem cheta, é que por vezes se têm de prostituir para sustentar os hábitos de uma esposa tão difícil.

  14. Carlos Vidal diz:

    Verdadíssima, ó miguel. Mas atenção, isso é porque nós não conseguimos ser a própria subjectividade.
    A própria da própria.

  15. almajecta diz:

    Precisamente que rigor, mais uma vez o cerne do núcleo essencial e objectivo está na manipulação da massa, pasta, catalizadores, acelaradores, etc. O conceito (ideia universal) não interessa nada é assim como a modos de um estereótipo da ideia, e muito menos o projecto da filosofia analítica que rejeita a pretensão de sujar as mãos preferindo interessar-se pelos enunciados da linguagem beef. Cá para mim vai começar a baixar o grau de idolatria áquele cheiro a cebola do tamisa, á city mais ao saatchi e ás teites. A Aliança não treme por vias do atlantismo mas o Anthony Giddens já se foi, concerteza para uma horta de realismo utópico, nunca mais ouvi falar nele, venceram o pragmatismo tecnocrata mais o relativismo pós-moderno que lhe cabeceou o plano normativo do pensamento social. Os mecanismos de segurança andam aí, necessitam é de desencabrestar.

  16. almajecta diz:

    Olha! eis senão quando coisa nunca vista, reparo de subito naquilo do corpo sem orgãos e das relações nos sistemas de parentesco. Há, ou já vai havendo umas doces senhoras esposas que se comportam concerteza como as amazonas antropofágicas. Digo eu, sei lá. Agora tambem não interessa nada, a boa vida sexual dos artistas. Depois, lavados e desinfectados com alcool, ficamos como novos.
    Interessa isso sim resolver aqueles poucos mas objectivos factos – os respeitantes á Bella Marionetta.

Os comentários estão fechados.