juridiquês vs. soberania

Informação relevante para a investigação do processo Freeport terá sido obtida em Inglaterra por escutas administrativas, ou seja, feitas eventualmente sem autorização de um juiz e pelos serviços secretos britânicos

Entre os episódios recentes neste caso, este é a notícia que sempre me deixou mais perplexo.

Eu não sei e julgo que poucos saberão, quantas escutas, DVD’s, documentos ou outras provas existem; que conteúdo contemplam ou que responsabilidades alcançam; se tais meios de prova serão formalmente lícitos ou ilícitos, legais ou ilegais, todos ou alguns, em processo penal, ao abrigo das leis desta República e/ou das normas do Reino de Sua Majestade.

Mas julgo que todos saberão qual a resposta límpida a dar a uma imperiosa pergunta: pode uma República soberana suportar que paire a suspeita de um risco de chantagem sobre um seu responsável político por parte de um país estrangeiro?

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

12 Responses to juridiquês vs. soberania

Os comentários estão fechados.