Não é Deus, mas divino é certamente

«Barack Obama não é um génio nem um homem providencial. Mas viu-se ao longo dos últimos meses que se trata de uma personalidade invulgar, de rara inteligência, um homem de grande cultura que fala claro, que se exprime com enorme frontalidade, que não se presta a jogos florentinos, que fala a verdade e só a verdade, que respeita o seu semelhante na América e em todo o Mundo, uma pessoa de princípios com um elevado sentido de humildade.»
Na próxima crónica de Emídio Rangel, por certo que o presidente americano já terá curado uma resma ou duas de leprosos. No mínimo.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

2 Responses to Não é Deus, mas divino é certamente

Os comentários estão fechados.