Brandos costumes

Em 68 A.C. , Antístio Veto, nomeado governador da Hispânia Ulterior, levou no seu estado-maior Júlio César, então questor. Conta-se que, tendo visitado o templo de Hércules, na ilha de Sanctipetri, ao largo de Cádis, César se lamentou, diante de uma estátua de Alexandre Magno que ali encontrou, por não ter ainda realizado nada de notável aos 32 anos, idade em que o rei da Macedónia havia já conquistado meio mundo. Esta historia que Suetónio nos conta, é bem reveladora do carácter ambicioso do futuro ditador.

César voltou à Ulterior em 61, agora como pretor. Terá então decidido provocar os povos montanheses à luta, pois uma província pacífica não lhe interessava, já que só na guerra cobraria a fama, a glória e o dinheiro que desejava. Algumas gentes lusitanas, com seus gados e bens, procuraram por isso refúgio a norte do Douro, mas foram perseguidas e derrotadas por César. Conta Dião Cássio que, acossado pelos romanos, um outro grupo de lusitanos fugiu até ao litoral, e daqui procurou refúgio numa ilha junto à costa (talvez Peniche, que à época ainda não estava ligada ao continente, ou alguma das Berlengas). César embarcou então algumas tropas que atacaram a ilha mas, sobrevindo uma maré demasiado forte, esses primeiros legionários não puderam receber reforços e foram exterminados pelos lusitanos, apenas se salvando Públio Ceva, que conseguiu fugir a nado. Quando, poucos dias mais tarde, César recebeu naves vindas de Cádis, pôde sem dificuldade ocupar a ilha e punir os fugitivos.

Durante a guerra civil que opôs César a Pompeu, travaram-se na Ulterior importantes combates. Quando abandonou a Hispânia, em 48, César designou para o governo da Ulterior Quinto Cássio Longino, cujo mandato foi, para todos os povos desta província, um período de exacções injustas e de violências. Salvando-se de uma tentativa de assassínio, Longino puniu cruelmente os conjurados, ajudando ao sucesso dos partidários de Pompeu, que conseguiram ganhar à sua causa cidades e tropas de toda a Ulterior.

O êxito dos dois filhos de Pompeu, que encabeçavam a resistência, foi porém de curta duração, pois César, auxiliado pelo príncipe mauritano Bogud, venceu-os em 45 na batalha de Munda. A capital da Ulterior pouco tempo mais resistiu às tropas de César e em Ategua (hoje em território espanhol), Munácio Flaco, um comandante partidário de Pompeu, vendo que os habitantes desertavam, matou-lhes as mulheres e os filhos. Os que eram apanhados quando fugiam, eram degolados e atirados do alto das muralhas, ou pendurados nestas pelos pés, sofrendo morte atroz, enquanto as crianças eram atiradas ao ar e apanhadas na ponta das lanças (Wiriamu?). Tais actos, diz Valério Máximo, eram executados pelos lusitanos da guarnição, supostos representantes do dócil “dolicóide meão” cantado pelos mais delirantes dos nacionalistas portugueses do século XX.

Fontes: Portugal Romano, de Jorge Alarcão, Les aventures d’Alix, l’intrépide e a transbordante imaginação de M.

Sobre António Figueira

SEXTA | António Figueira
Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.