O caso Freeport de Alcochete

Nos últimos anos, têm-se sucedido diversos casos escandalosos que envolvem os Partidos da Direita na governação, seja a nível autárquico, seja a nível central.
Assim de repente, lembro-me do caso Parque da Cidade do Porto (PS, 2001); do caso Freeport de Alcochete (PS, 2002); do caso Portucale (CDS/PP, 2004); e do caso SIRESP (PSD, 2005).
O que têm em comum todos este casos? Têm em comum o facto de terem sido tomadas decisões políticas, em negócios de milhões, sem que houvesse legitimidade moral e até jurídica para tal: no caso Parque da Cidade, por Nuno Cardoso, quatro dias antes da tomada de posse de Rui Rio como novo Presidente da Câmara do Porto; no caso Freeport de Alcochete, pelo Ministro do Ambiente, José Sócrates, três dias antes das eleições legislativas que Durão Barroso acabou por vencer; no caso Portucale, pelo Ministro do Ambiente, Luís Nobre Guedes, a quatro dias das eleições legislativas de 2005 e num momento em que o Presidente já dissolvera a Assembleia da República há vários meses; e no caso SIRESP, pelo Ministro da Administração Interna, Daniel Sanches, já depois da vitória do PS nas eleições legislativas.
Fica desde já a promessa de me debruçar, a médio prazo, sobre todos estes casos e sobre muitos outros que, de quando em vez, abalam a democracia portuguesa. Como o caso Eurominas, por exemplo, a meu ver um dos mais escandalosos dos últimos anos.
Por uma questão de actualidade, começarei a publicar, a partir de amanhã, uma série de «posts» relativos ao caso Freeport de Alcochete.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

10 respostas a O caso Freeport de Alcochete

  1. bloom diz:

    O Ricardo publica, investiga, julga e condena. Prático. E muito económico para o erário público. Quem precisa de polícias, procuradores, juízes e assim?

  2. Carlos Fernandes diz:

    Pois, e, no entanto, estes escândalos não têm consequências, muito menos culpados e responsáveis…
    Ora, um corrupto e um ladrão é um criminoso e tem de ser punido, não interessa se é de esquerda ou direita ou do partido a ou b!

    Outra situação, entre infelizmente muitas outras, que poderia ser referida é o combate aos incêndios, que até há uns anos era eficazmente feito por pela Força Aérea (agora os kits de adaptação dos Puma e dos C-130 estão a apodrecer…). Agora, esse combate custa o dobro ao contribuinte português, que tem de pagar os meios privados de combate, e, para cúmulo, dadas as àreas anuais ardidas constatadas, não é tão eficaz.
    Agora, seria interessante, ver-se se os governantes que legislaram para fazer passar esse combate para privados teriam alguma coisa a ver com empresas de meios aéreos…

    Isto, de facto, a somar aos casos referidos aquando da fundação MSoares e outros, faz-nos temer pela Democracia. Lá terá este desgraçado povo de gramar com outro ditador a curto ou a médio prazo, por causa de corruptos ( impunes!) que lixaram a democracia!

  3. Pedro diz:

    Ricardo, outra para a lista: a ligação Sócrates-SECIL…. Você sabe, a aprovação da co-incineração e da expansão das pedreiras em pleno Parque Natural da Arrábida… a ‘deportação’ para Coimbra da directora que se opôs aos projectos….

  4. Ibn Erriq diz:

    Ricardo Santos Pinto, ainda nem começou de facto, mas antes que começa já há quem veja o resultados 😉 Será que esses já sabem onde é que pode chegar?

    Veja lá no que se mete não vá ser acusado de crime lesa majestade , não é bloom?

  5. nuno diz:

    Por uma questão de actualidade começa num caso com 8 anos?
    Que tal começar pelo BPN que Cavaco, concelheiros e companhia montaram com os dinheiros das intrujadelas do Cavaquistão?

    Ai a imparcialidade é uma coisa tão bonita. Ainda bem que você administra tudo aqui. Acusação, julgamento e castigo.

  6. nuno diz:

    Ou do belo buraco em que Rui Rio deixou a câmara do Porto este ano?
    Alias o PSD revela uma tradição de gestão camararia fantastica, com Santana e Rio.
    É uma bela escola o PSD.

  7. A Laurens diz:

    Seja prático, investigue o caso do Dias Loureiro e pandilha cavaquista. Quando é que acaba essa Esqueda/PSD de falarem a uma só voz. Olhe, a Dona Manuela agradece. Ou os extremos tocam-se?

  8. Paulo Barata diz:

    Ohhhh Ricardo, Muito cuidado com o que vai fazer pois os tempos não estão favoráveis aos que dão a cara a criticar o chefe….Veja o silêncio sepulcral de tudo que é imprensa “tradicional” sobre alguns os esqueletos (muitos…) que abundam no armário do sr. engº…Invejo a sua coragem!!!
    paulo

  9. m diz:

    Parabéns pelo seu post. Pouco se tem falado disto, parece-me.

    Um abraço,

    m

Os comentários estão fechados.