Change

Obama escolheu Sanjay Gupta para Cirurgião-General. Isto signifca mais ou menos que vai ser este jornalista-neurocirurgião a dirigir o processo de reformulação do sistema de saúde americano.

Lembrava-me de Sanjay Gupta de há cerca de um ano, quando fez o maior esforço para desacreditar a crítica Sicko (de Michael Moore), dizendo que este alterou os factos.  Paul Krugman escreveu sobre o assunto:
Gupta specifically claimed that Moore “fudged his facts”, when the truth was that on every one of the allegedly fudged facts, Moore was actually right and CNN was wrong.

Como muitas outras, a CNN veio a admitir que a última frase de Gupta (sobre a afiliação do especialista) era mentira. E que os dados de Sicko, eram, de facto, verdadeiros.

Não parece ser um presságio de mudança, a nomeação de um homem que foi até este ponto para atacar uma crítica ao sistema que se espera que reforme.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

5 respostas a Change

  1. miguel dias diz:

    Se bem me lembro, uma das promessas da Administração Clinton era precisamente a reforma do sistema de saúde, cuja responsável era a Hillary. Essa reforma caiu. E provavelmente constitui, mais do que os broches na sala oval (absolutamente inócuos diga-se), o facto mais negativo da era Clinton.

    Constate-se que entre os maiores contribuidores quer da campanha de Hillary quer de Obama, se encontrava o lobi da indústria farmacêutica, o segundo mais poderoso da América logo após ao da indústria de armamento.

    Obama, não ganhou as eleições por representar uma esperança na mudança ou por ser mulato. Ganhou-as porque não interferirá no business as usual. Veja-se a declarações de Obama a propósito da invasão israelita.

    É claro que o facto de 20% da população americana não ter acesso a cuidados de saúde gratuito, é um problema que diz respeito aos americanos. Trata-se de um assunto de interno.
    Mas chateia-me.
    Sobretudo porque eu gosto da América.

  2. Nuno Ramos de Almeida diz:

    João,
    Exclente post. É de se lhe tirar o boné 🙂

  3. João Branco diz:

    Tu também com o boné …

  4. João Branco diz:

    O Michael Moore também costuma andar de boné. Será de se lho tirar?

  5. Miguel Dias diz:

    Tire-se o chapéu ao Michael Moore sim senhor.
    Trata-se de um genuíno americano. Um autêntico Bubba
    Apesar de algumas parvoíces do Fahrenheit 9/11, é daqueles americanos que confronta a América consiga própria.
    E é por causa de lá haver gajos como o Moore que eu gosto da América.

Os comentários estão fechados.