Acerca dos despedimentos de jornalistas

Não há nenhuma razão para sorrisos. Anunciam-se muitos despedimentos de trabalhadores da comunicação social em vários grupos económicos. Também a crise é desigual: os grandes lucros ficaram nas mãos de alguns e os prejuízos têm sempre os mesmos pagadores. Aproximam-se tempos difíceis para os jornalistas e para a liberdade de imprensa. Graças a Deus que salvaram os bancos!

Comunicado do Sindicato dos Jornalistas

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

6 respostas a Acerca dos despedimentos de jornalistas

  1. Aproximam-se tempos difíceis para os jornalistas e para a liberdade de imprensa

    Aproximam-se?!!!!!

  2. Nuno Ramos de Almeida diz:

    Ana Leonardo,
    Ok, muito mais difíceis.

  3. Perplexo diz:

    Há que tempos que os jornais e revistas andam a despedir jornalistas para cortar despesas. (Baixar a qualidade do conteúdo é a coisa mais estúpida que se pode fazer, mas também a mais fácil, uma vez que os custos de produção são inelásticos…) Actualmente temos redacções de revistas com um editor (com experiência para ser repórter) e um estagiário… Os estagiários escrevem, não há copydesk nem revisão e por aí vai… Mesmo assim, não dá, porque as tiragens são muito pequenas… Vamos passar para o digital ainda antes dos americanos, mas não porque sejamos muito avançados!

  4. Spartakus diz:

    Nada de novo.

    Toca a todos. Alguns nem existem oficialmente e ainda nem receberam pelos trabalhos pedidos.

    As redacções são uma anedota. A investigação a sério custa dinheiro. Censura, já havia…enfim, aqui como no resto.

  5. GL diz:

    “Também a crise é desigual: os grandes lucros ficaram nas mãos de alguns e os prejuízos têm sempre os mesmos pagadores.”

    Demagogia, inveja e mentira.
    – –

    Portugal deve ser um dos únicos países do mundo onde, em plena crise, se anuncia o surgimento de um jornal… impresso. É o paraíso dos jornalistas.

  6. GL,
    Você não consegue ver nada a venda que lhe colocaram nos olhos e a cenoura com que lhe acenaram impedem-no de pensar. Neste momento nos maiores grupos de comunicação portuguesa há despedimentos e rescisões. Impresa reduz na SIC, Visão, Expresso dezenas de postos de trabalho. Impala fecha revistas e fala-se que prepara-se para cortar mais de 200 postos de trabalho. Prisa reduz dezenas de postos de trabalho nas rádios e no multimedia. Globalnotícias despede 122 trabalhadores, diz-se que em Junho vai fazer uma nova razia nos postos de trabalho. Você acha que um novo diário , que recebeu mais de 4000 pedidos de emprego, segundo me disse alguém de lá, vai conseguir atenuar esta crise. Já percebi que você deve viver na dispensa do Largo do Rato, mas homem, saia de casa, tire a venda e, sobretudo, deixe de escrever disparates, como “Portugal é o paraíso dos jornalistas”. Você é um cómico.

Os comentários estão fechados.