Relato de um “debate” sobre a “Grécia”

REPRESENTANTE DA ALVORADA SOCIAL-DEMOCRATA REFORMISTA (50% da palavra)

“A violência é abominável em qualquer situação. É autoritária e misógina. Causa sempre medo. Palestina.”

REPRESENTANTE DA ALVORADA SOCIAL-DEMOCRATA REFORMISTA #2 (30%)

“Historicamente a violência provou ser ineficaz. Não se atinge emancipação com violência. Atinge-se sem violência. Índia. Espanha. Itália”

MODERADOR (1%)

“Não me falem do Ghandi!”

REPRESENTANTE DA LONGA NOITE MARXISTA-LENINISTA (2%)

“A violência tem que ser analisada como resposta a outra violência.”

REPRESENTATE DA RACAILLOFILIA (10%)

“Certa violência não pode ser excluida como opção. A polícia de choque em Itália não carrega sobre manifestações porque há resistência. Palestina, Itália, Espanha Itália”

PÚBLICO (7%)

E a Grécia?

TODOS

Qual Grécia?!?!

FIM

Com maior sinceridade a designação do evento deveria ter sido «Caceteiro-porreiro Daniel Oliveira e mestre-escola Rui Tavares apresentam: “A violência jamais deve ser usada politicamente.” »

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

11 Responses to Relato de um “debate” sobre a “Grécia”

Os comentários estão fechados.