Relato de um “debate” sobre a “Grécia”

REPRESENTANTE DA ALVORADA SOCIAL-DEMOCRATA REFORMISTA (50% da palavra)

“A violência é abominável em qualquer situação. É autoritária e misógina. Causa sempre medo. Palestina.”

REPRESENTANTE DA ALVORADA SOCIAL-DEMOCRATA REFORMISTA #2 (30%)

“Historicamente a violência provou ser ineficaz. Não se atinge emancipação com violência. Atinge-se sem violência. Índia. Espanha. Itália”

MODERADOR (1%)

“Não me falem do Ghandi!”

REPRESENTANTE DA LONGA NOITE MARXISTA-LENINISTA (2%)

“A violência tem que ser analisada como resposta a outra violência.”

REPRESENTATE DA RACAILLOFILIA (10%)

“Certa violência não pode ser excluida como opção. A polícia de choque em Itália não carrega sobre manifestações porque há resistência. Palestina, Itália, Espanha Itália”

PÚBLICO (7%)

E a Grécia?

TODOS

Qual Grécia?!?!

FIM

Com maior sinceridade a designação do evento deveria ter sido «Caceteiro-porreiro Daniel Oliveira e mestre-escola Rui Tavares apresentam: “A violência jamais deve ser usada politicamente.” »

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

11 respostas a Relato de um “debate” sobre a “Grécia”

  1. rms diz:

    Então e aquelas coisas da desobediência civil? É sempre dentro da lei? E à medida que as leis forem sendo mais restritivas? Como é?

  2. Spartakus diz:

    Sem surpresas, portanto…lolololol…

  3. Se foi isto que tiraste do debate (se der para tirar as aspas a coisas que não são citações e identificar os autores pelo nome…) perdeste a tua noite.

  4. rms diz:

    Ó Daniel pareceu-me que isso tinha ficado claro no post… Pelo menos foi o que percebi…

  5. João Branco diz:

    Perdi a noite? Nem toda, Daniel: fiquei a conhecer a tua forma de debater (que pensava que usavas exclusivamente no programa de entretenimento da Sic Notícas). Sobre a Grécia é que não aprendi nada.

    Quanto às aspas, são como a bóina de ontem: dar para tirar até dá, e nem me custava nada, mas para quê? Também vais pedir ao Jorge Mateus que retire as palavras dos balões dele?

  6. Filipe Abrantes diz:

    A polícia (que temos) é um orgão político, que usa a violência para fins políticos (mais ou menos ordem/segurança, com que proporção, com ou sem pedagogia, etc – isto tudo é decidido politicamente).

  7. Filipe Abrantes diz:

    Resumo (resumido) do debate: “Somos todos social-democratas, e este sistema democrático é fantáaastico, não há melhor e todos os outros são bem piores pá”.

  8. Nuno Ramos de Almeida diz:

    Dares-me 2% é que é uma falta de respeito. Sobre a frase, acho que era mesmo a única coisa que tinha para dizer. Penso, no entanto, que também disse boa noite.

  9. … percebi agora que quando escrevi “Relato” devia ter escrito “Resumo”.
    Só tinhas isso para dizer e tomaste mais do que 2% ?

  10. Já agora, eu vi lá uma câmara a filmar. O video do debate não estará disponível on-line?

Os comentários estão fechados.