O «eduquês» em todo o seu esplendor

«[…]A existência de constrangimentos na operacionalização do regime de permeabilidade estabelecido pelo Despacho n.º 14387/2004 (2.ª Série), de 20 de Julho, bem como os ajustamentos de natureza curricular efectuados nos cursos científico-humanísticos criados ao abrigo do Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março, implicaram a necessidade de se proceder ao reajuste do processo de reorientação do percurso escolar do aluno no âmbito dos cursos criados ao abrigo do mencionado Decreto-Lei n.° 74/2004, de 26 de Março. Desta forma, o presente diploma regulamenta o processo de reorientação do percurso formativo dos alunos entre os cursos científico-humanísticos, tecnológicos, artísticos especializados no domínio das artes visuais e dos audiovisuais, incluindo os do ensino recorrente, profissionais e ainda os cursos de educação e formação, quer os cursos conferentes de uma certificação de nível secundário de educação, quer os que actualmente constituem uma via de acesso aos primeiros, criados ao abrigo do Decreto-Lei n.° 74/2004, de 26 de Março, rectificado pela Declaração de Rectificação n.° 44/2004, de 25 de Maio, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.°24/2006, de 6 de Fevereiro, rectificado pela Declaração de Rectificação n.º 23/2006, de 7 de Abril, e pelo Decreto-Lei n.° 272/2007, de 26 de Julho, e regulamentados, respectivamente, pelas Portarias n.° 550-D/2004, de 22 de Maio, alterada pela Portaria n.° 259/2006, de 14 de Março, n.° 550-A /2004, de 21 de Maio, com as alterações introduzidas pela Portaria n.° 260/2006, de 14 de Março, n.° 550-B/2004, de 21 de Maio, com as alterações introduzidas pela Portaria n.° 780/2006, de 9 de Agosto, n.° 550-E/2004, de 21 de Maio, com as alterações introduzidas pela Portaria n.° 781/2006, de 9 deAgosto, n.° 550-C/2004, de 21 de Maio, com as alterações introduzidas pela Portaria n.° 797/2006, de 10 deAgosto, e pelo Despacho Conjunto n.° 453/2004, de 27 de Julho, rectificado pela Rectificação n.°1673/2004, de 7 de Setembro. Assim, nos termos da alínea c) do artigo 4.° e do artigo 9º do Decreto-Lei n.° 74/2004, de 26 de Março, rectificado pela Declaração de Rectificação n.°44/2004, de 25 de Maio, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.° 24/2006, de 6 de Fevereiro, rectificado pela Declaração de Rectificação n.°23/2006, de 7 de Abril, e pelo Decreto-Lei n.° 272/2007, de 26 de Julho, determino:[…]»
O Secretário de Estado da Educação, Valter Lemos

Palavras para quê? É o «eduquês» em todo o seu esplendor. E é com pérolas destas que as escolas andam a perder tempo há três anos.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

5 respostas a O «eduquês» em todo o seu esplendor

  1. teofilo m. diz:

    Se este substituiu os outros todos… tá bem, se não… porra!

  2. helderega diz:

    Não é um bom exemplo de eduquês (quem trabalha numa escola percebe-o com relativa facilidade), é mais de juridiquês.
    Se tiver tempo, hei-de facultar-lhe aqui uma verdadeira pérola do verdadeiro eduquês.

  3. PJMODM diz:

    Deixem-se dessas coisas que por via do que no futuro será qualificado como «campanha ignóbil» irão justificar a incapacidade de operacionalização do mistério da educação. Verdadeiro exemplo da missão deste mistério encontra-se bem descrita aqui: http://portadaloja.blogspot.com/2009/01/as-cabalas-proactivas.html

  4. M. Abrantes diz:

    Se algum dia, por alguma razão nebulosa, for exigido ao Valter Lemos que escreva um texto com pés e cabeça, sobre educação, que não inclua nem insultos a professores nem a expressão Decreto-Lei, as únicas palavras que constarão na folha são estas duas: Estou fodido!

  5. ficou-me a doer a cabeça. a última vez que me lembro de me ter ficado a doer a cabeça por causa de um texto foi quando li umas fotocópias da Metafísica de Aristóteles. Mas esse falava legitimamente grego

Os comentários estão fechados.