Momentos de lucidez

Mário Soares, num dos momentos de lucidez que ainda vai tendo, veio chamar a atenção do Governo, na última semana, para a voz da rua. A lucidez, uma das suas maiores qualidades durante uma longa carreira política.

>A lucidez que lhe permitiu escapar à PIDE e passar um bom par de anos, num exílio dourado, em hotéis de luxo de Paris. A lucidez que lhe permitiu conduzir da forma «brilhante» que se viu o processo de descolonização. A lucidez que lhe permitiu conseguir que os Estados Unidos financiassem o PS durante os primeiros anos da Democracia. A lucidez que o fez meter o socialismo na gaveta durante a sua experiência governativa. A lucidez que lhe permitiu governar sem ler os «dossiers». A lucidez que lhe permitiu não voltar a ser primeiro-ministro depois de tão fantástico desempenho no cargo. A lucidez que lhe permitiu pôr-se a jeito para ser agredido na Marinha Grande e, dessa forma, vitimizar-se aos olhos da opinião pública e vencer as eleições presidenciais. A lucidez que lhe permitiu, após a vitória nessas eleições, fundar um grupo empresarial, a Emaudio, com «testas de ferro» no comando e um conjunto de negócios obscuros que envolveram grandes magnatas internacionais.

A lucidez que lhe permitiu receber do Estado, ao longo dos últimos anos, donativos e subsídios superiores a um milhão de contos. A lucidez que lhe permitiu receber, entre os vários subsídios, um de quinhentos mil contos, do Governo Guterres, para a criação de um auditório, uma biblioteca e um arquivo num edifício cedido pela Câmara de Lisboa. A lucidez que lhe permitiu receber, entre 1995 e 2005, uma subvenção anual da Câmara Municipal de Lisboa, na qual o seu filho era Vereador e Presidente. A lucidez que lhe permitiu que o Estado lhe arrendasse e lhe pagasse um gabinete, a que tinha direito como ex-Presidente da República, na… Fundação Mário Soares. A lucidez que lhe permite que, ainda hoje, a Fundação Mário Soares receba quase 4 mil euros mensais da Câmara Municipal de Leiria. A lucidez que lhe permitiu fazer obras no Colégio Moderno, propriedade da família, sem licença municipal, numa altura em que o Presidente era… João Soares. A lucidez que lhe permitiu silenciar, através de pressões sobre o director do «Público», José Manuel Fernandes, a investigação jornalística que José António Cerejo começara a publicar sobre o tema. A lucidez que lhe permitiu candidatar-se a Presidente do Parlamento Europeu e chamar dona de casa, durante a campanha, à vencedora Nicole Fontaine. A lucidez que lhe permitiu considerar José Sócrates «o pior do guterrismo» e ignorar hoje em dia tal frase como se nada fosse. A lucidez que lhe permitiu passar por cima de um amigo, Manuel Alegre, para concorrer às eleições presidenciais uma última vez. A lucidez que lhe permitiu, então, fazer mais um frete ao Partido Socialista. A lucidez que lhe permitiu ler os artigos «O Polvo» de Joaquim Vieira na «Grande Reportagem», baseados no livro de Rui Mateus, e assistir, logo a seguir, ao despedimento do jornalista e ao fim da revista. A lucidez que lhe permitiu passar incólume depois de apelar ao voto no filho, em pleno dia de eleições, nas últimas Autárquicas. No final de uma vida de lucidez, o que resta a Mário Soares? Resta um punhado de momentos em que a lucidez vem e vai. Vem e vai. Vem e vai. Vai… e não volta mais.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

64 respostas a Momentos de lucidez

  1. Luís Antunes diz:

    José Saramago também tem uma fundação . Ninguém critica . Ou vocês acham que a fundação saiu – lhe do bolso?

  2. julio murraças diz:

    Como é que este texto circula na net como sendo um artigo da Clara Ferreira Alves no Expresso?
    Não tenho simpatia política, nem pessoal, pelo visado, mas algo não cheira bem …

    • Isabel Vasconcelos diz:

      Pela mesma razão que circula na net um e-mail citando um despacho de nomeação da mãe do Francisco Louçã como assessora do Grupo Parlamentar do BE, com os comentários da praxe. Verificado o referido despacho, a Senhora trabalha pro bono!

  3. Parece-me que vou ter de processar a Clara Ferreira Alves.
    O texto é meu e só meu, Júlio Murraças. E assumo-o da primeira à última linha.

  4. Luís Antunes diz:

    O único erro que aponto ao Bochechas , é o de ter sido advogado de gente do PCP.

  5. Luís Antunes diz:

    Ricardo Santos Pinto , escreve mas é mal dos que levaram o regime do Leste ao colo….

  6. Pingback: MOMENTOS DE LUCIDEZ DO GRANDE GRÃO-MESTRE DO PS (mas não só) « Barreiro por Sensei

  7. Luís Antunes diz:

    Obrigado , Zita Seabra , pelo teu livro.

  8. André diz:

    A insanidade de uma reportagem feita por uma jornalista que mal conseguiu passar o 12ºano.
    Quando somos encobertos pela nuvem do desrespeito e da falta de ética, movidos pelas palavras repulsivas e que possivelmente podem chocar a população, ganhando popularidade, o jornalismo está perdido.
    Será esta jornalista LÚCIDA ao ponto de ter o mínimo de noção do que é a realidade? Não. É apenas uma analfabeta funcional – a demolidora da verdade; uma das muitas oportunistas cujo único objectivo é chocar e utilizar tal choque para mobilizar a sociedade. A sociedade ingénua, naif, inculta que acredita em tudo e em nada.
    Sorte que a idade avançada não signifique uma menor lucidez. Mas quando utilizamos a disponibilidade e as portas-abertas de uma casa-fundação de um político alegando grande respeito e admiração e utilizar tal visita para fazer uma crónica repugnante e suja, o carácter ou melhor, a falta de carácter do entrevistador é bem notória.

    André Carmona

  9. ROSA diz:

    PROCUREM PELA FAMILIA DO SÓARES ENTRE OUTROS E VÃO VER ONDE ELES ESTÃO, NÃO ADMIRA QUE O PAIS ESTEJA CADA VEZ PIOR.

  10. Pedro Guerne diz:

    Então todos vós, quem escreveu este texto e quem o comenta, acha que SÓ o Mário Soares é que faz mau uso do poder e do sistema ditadura-do-dinheiro-e-das-famílias-que-estão-no-poder-e-fazem-as-leis-para-si-e-para-os-seus? E que a maioria de nós não faz o mesmo em casa e no trabalho? Que mais maus exemplos há por aí em Lisboa? E me Portugal? E no mundo?
    Este sistema e estas atitudes, quer as do Mário Soares, quer as de quem escreveu este texto, quer as dos comentadores, quer as de muitas pessoas no mundo inteiro, são um exemplo de como ainda andamos a dormir em termos da evolução da raça humana… Deixem-se de guerras e acusações, olhem para vós próprios. Saibam ser objectivos, isentos e laicos nas vossas observações, mas por favor, tenham tento nas palavras! Com guerra e agressividade desmedida não se vai a lado nenhum!

    Tudo de bom!
    Pedro

  11. Rafael Edmundo diz:

    É engraçado. Este texto terá sido escrito por si, por Clara Ferreira Alves e ainda pelo senhor do blogue “Chega-te aqui”, conforme link infra:

    http://chegateaqui.blogspot.pt/2010/06/minha-homenagem-mario-soares.html?showComment=1352306695013

    O seu aparenta ser o mais antigo, em todo o caso, parabéns a si ou aos outros.

    • Ricardo Santos Pinto diz:

      Se for pelo Google, encontrará milhares de resultados para «Momentos de Lucidez», muitos deles, como o tal blogue Chega-te aqui, sem indicar a fonte. Também já recebi inumeras vezes este texto, por mail, como tendo sido publicado pela Clara Ferreira Alves no Expresso, o que é falso. O texto foi publicado pela primeira vez aqui, no 5 Dias. Se fosse para tribunal com cada pessoa que me plagiou, acho que ficava rico.

Os comentários estão fechados.