Adenda à Correcção

«”Nós apresentámos o Orçamento em Setembro [a 14 de Outubro]. Em Setembro [Outubro] ninguém [o meu Governo não] tinha ideia, [ao contrário do] no mundo inteiro, da profundidade da crise.” – Correcção de Gabriel Silva à declaração do Primeiro Ministro quando se procurava desculpar da inadequação do Orçamento de Estado para 2009.

Adenda:
12.10.2008 “Sócrates considera garantia de 20 mil milhões essencial para estimular bancos
12.10.2008 “Governo disponibiliza até 20 mil milhões em garantias aos bancos

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

4 respostas a Adenda à Correcção

  1. Sim, só mesmo com muito lol!

  2. Gamado ao Vítor Dias de « O Tempo das Cerejas»:
    O problema é apenas este: há mais de um ano que, como seria fácil documentar, não faltam carradas de grupos de estudos, artigos de opinião e análises de economistas que, logo a partir da chamada «crise do imobiliário » nos EUA, previram e preveniram o essencial do que vinha a seguir. E nós temos um primeiro-ministro que tem o arrojo de dizer que em Setembro de 2008 «ninguém fazia ideia» da profundidade da crise. Para não ir mais longe, basta dizer que até num modesto blogue como este, cujo titular nem sequer é economista, os «posts» sobre a evolução e gravidade da crise já vêm desde Setembro de 2007!
    A questão é tanto mais grave quanto é certo que a afirmação parte do primeiro-ministro, ou seja de alguém que tem ao seu dispor dezenas de assessores e de gabinetes de estudos, as estruturas vastíssimas do Ministério das Finanças e da Economia e as centenas de economistas que que povoam as estruturas estatais, com natural destaque para o Banco de Portugal e que, por essa via, não pode deixar de ter acesso a vastas informações e reflexões de âmbito internacional sobre uma matéria desta importância.
    Se as coisas não fossem assim, e são, com vontade e infinita generosidade talvez ainda se pudesse admitir que está tudo explicado porque, azar do destino, nem o primeiro-ministro nem os seus assessores viram a seguinte manchete do Público de 28 de Janeiro de 2008 veiculando a insuspeita opinião de Alan Greenspan: “RECESSÃO ECONÓMICA GLOBAL É CADA VEZ MAIS PROVÁVEL – cenário é «inevitável» para o ex-Presidente da Reserva Federal dos Estados Unidos.”
    Eu bem sei que amanhã é outro dia e que quase tudo está montado para que andemos todos por cá mais para esquecer do que para lembrar e aprender algo de duradouro.
    E, assim sendo, pedindo compreensão para a brutalidade da frase, só me resta vingar-me deixando aqui escrito que das duas uma: ou temos um primeiro-ministro que é um consciente mentiroso ou temos um primeiro-ministro que é ligeiro e incompetente e chefia bandos de ligeiros e incompetentes.
    Palavra que gostaria de ter escrito isto…

  3. Patricia Costa diz:

    Parece-me que o ex-presidente da Reserva Federal dos Estados Unidos não é grande exemplo para termo de comparação pois o dito senhor levou quase 40 anos para perceber que o liberalismo económico afinal não era o melhor dos modelos.Sócrates levou muito menos tempo.Na verdade amanhã é outro dia e mais importante do que saber se o 1ºministro percebeu há 6 meses ou há um mes,é saber qual é o plano para tentar minimizar as consequencias de uma crise que começou no sistema financeiro e está neste momento fortemente instalada na economia.Há pouco no noticiário ouvi o presidente eleito dos EUA dizer que é preciso actuar já,e mesmo assim a crise pode durar anos.Já que temos pelos vistos pessoas muito competentes em determinado partido politico portugues,o do António Vilarigues e como o tempo urge decerto que os ligeiros e incompetentes membros do Governo vão aceitar as propostas mágicas e já agora podiam tambem fazer o favor de as indicar ao presidente eleito dos EUA para ele ficar menos preocupado.

  4. Tiago Mota Saraiva diz:

    Patrícia concordo com as suas prioridades. O problema é que o Primeiro Ministro nos tentou enganar, e não ouviu o que TODA a oposição disse aquando da apresentação do orçamento.
    Mais, o Primeiro Ministro (como se prova pela suspensão dos concursos públicos) continua a pensar que esta crise será mais uma oportunidade para encenar umas historietas mentirosas e fazer enriquecer os seus amigos.

Os comentários estão fechados.