A Universidade Jaguar

Na passada semana encerrou definitivamente a Universidade Moderna sob o silêncio do xôtor Paulo Portas. Concordo em grande parte com o Luís Januário. Entre as privadas há mais universidades que deveriam fechar. E se fossemos mais rigorosos apenas uma merece o título de universidade: a Católica. No entanto, mesmo a Universidade Católica no contexto europeu é uma universidade coxa onde a produção científica é fraca e se resume praticamente apenas às ciências sociais e humanas. A maior parte das universidades privadas não tem sequer produção científica. Estas instituições deveriam perder o estatuto de universidade e ser designadas mais correctamente como escolas ou institutos de ensino superior, tal como é prática noutros países da OCDE. Existem vários casos de politécnicos no país que produzem trabalho científico e que mereciam bem mais o estatuto de universidade. Apesar de algumas das privadas ainda prestarem serviços à sociedade civil, elaborando sondagens ou estudos técnicos, as restantes dedicam-se apenas à cobrança de propinas e de inscrições nos exames, por vezes, utilizando estratagemas que indignam profundamente os estudantes.

É por estas e por outras que sou pouco sensível ao choradinho das universidades privadas quando se queixam de falta de financiamento do estado. As privadas, tal como as públicas, podem concorrer a projectos europeus e nacionais que financiam a investigação, mas curiosamente o que se verifica é que essas oportunidades são pobremente aproveitadas, especialmente nos domínios das Engenharias e das Ciências Exactas. No entanto, tal como a Moderna algumas das privadas não dispensam um parque de automóveis de luxo adquiridos ou alugados. Por exemplo, um Jaguar custa mais de 100 mil euros, o que corresponde a uma quantia superior ao orçamento médio dos projectos a três anos financiados pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia. Pelo preço de duas ou três viaturas destas é possível equipar um laboratório capaz de produzir trabalhos científicos com qualidade aceitável. É tudo uma questão de prioridades…

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

6 respostas a A Universidade Jaguar

  1. LA-C diz:

    Devo dizer que tenho boas referencias da Universidade Fernando Pessoa, universidade privada tambem. (Nao tenho qualquer tipo de interesses nessa universidade)
    Ja’ agora, tenho algumas duvidas de que seja justo considerar a Univ Catolica como privada. Afinal de contas, o financiamento publico que recebem e’ substancial.

  2. Spartakus diz:

    Bolas! Mas ninguém ouviu a letra das janeiras cantadas hoje em São Bento???
    Aquilo só na Coreia do Norte!
    Haja VERGONHA e LIMITES!

    http://bandeiranegra1.wordpress.com/2009/01/06/este-nao-e-um-blogue-respeitavel-ou-de-referencia-aqui-nem-gajas-nuas-nem-politicos-nem-banqueiros-ou-copos-de-verde-artistas-pederastas-ou-pornografos/

    Boa noite e um abraço.

    Um blogue que conhece e cita Lévinas e Derrida, linkamos! Lolololol.

  3. Não duvido que haja boas referências em quase todas as universidades, mas o que faz de uma verdadeira universidade é sua capacidade de formar alunos, a sua capacidade de produzir conhecimento (este é grande problema das privadas) e a sua capacidade de interagir com a sociedade (este é um problema geral no país). Na minha opinião uma instituição que não produz conhecimento, que não produz trabalho científico não deve ter o título de universidade.

  4. Luis Moreira diz:

    Nem mais, Rui! Mais um crime cometido pela ganância.Uma oportunidade para se criarem boas escola foi transformado num imenso negócio. Seria giro analisar as condições da sua abertura,que ministros, em que governos,quem foram os beneficiários…

  5. 123 diz:

    «Entre as privadas há mais universidades que deveriam fechar. E se fossemos mais rigorosos apenas uma merece o título de universidade: a Católica.»
    A Católica não faz parte nem do ensino público nem do privado: é concordatário (por causa da Concordata com um Estado Teocrático, que não o Irão), sendo na prática uma espécie de PPP, Parceria Público-Privada: é financiada pelos contribuintes portugueses e cobra propinas como se fosse um empreendimento privado.
    Não se esqueça, por fim, que os argumentos usados para diminuir o estatuto de “universidade” para “politécnico” ou “escola superior”, podem ser usados em “universidades” públicas pequenas, como a UBI a UTAD, a UAlgarve e UAveiro: dedicam-se a áreas muito específicas do saber…

  6. “Não se esqueça, por fim, que os argumentos usados para diminuir o estatuto de “universidade” para “politécnico” ou “escola superior”, podem ser usados em “universidades” públicas pequenas, como a UBI a UTAD, a UAlgarve e UAveiro: dedicam-se a áreas muito específicas do saber…”

    Ah pois podem!
    Mas a Universidade de Aveiro está entre as poucas universidades portuguesas que aparecem nos rankings internacionais, tal como já aconteceu com a Católica. Não é uma universidade tão pequena como parece.

Os comentários estão fechados.