Kenneth Anger

“Who makes the nazis?” Mark E. Smith,The Fall

 Shunt Vaults Lounge, Londres

30 de Outubro de 2008

  Desloquei-me de propósito a este espaço multicultural, para ver os filmes mais recentes de Kenneth Anger. Em princípio, ele iria falar sobre a sua obra cinematográfica, e em especial sobre os filmes Ich Will, Fore Play, Elliot’s Suicide e I’ll be watching you.

 Depois de aguentar estoicamente 20 minutos dos 45 de Ich Will, que não passa de um documentário propagandista nazi, “pescado” em alguma prateleira bolorenta, saí da sala de exibição enojada.

 Anger teve a lata de assinar o dito documentário, como se o tivesse feito e esperava que todo o público se deleitasse (como ele, provavelmente!) com as paradas da juventude hitleriana, uma catrefada de rapazolas de canelas desnudas e em uniforme, os pequenos assassinos do III Reich…

 Entretanto já tinham passado a estopada dos jogadores de futebol, Fore Play, o lúgubre Elliot’s Suicide (e o único filme com algum interesse) e, estava para ser exibido o I’ll be watching you, com mais rapazolas em uniforme. Filmes sem alma, sem génio e perigosamente fascistóides! .

 O sr. Anger, que deambulava no Shunt Vaults, era uma concha vazia e impotente a viver à sombra dos seus filmes do passado – mágicos e belos.

Kenneth Anger R.I.P.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

6 respostas a Kenneth Anger

  1. Pingback: Kenneth Anger : filmes

  2. J. Batista diz:

    Não resisto.
    Há coisas que me chocam:os pequenos assassinos do III Reich???
    Não sei que idade tem, nem o que viveu, mas acredite: esses “rapazolas de canelas desnudas”, não eram necessariamente adeptos do sr. Hitler, como os mocidades portuguesas não eram necessariamente adeptos do sr. Salazar, e como os que embarcámos a caminho das colónias não éramos necessariamente “jovens assassinos de Salazar” como ouvi, no rádio Argel quando, em 1970, me encontrava no Pátria a sair a barra a caminho de Moçambique. É preciso cuidado com o que se diz. Estes julgamentos à priori são o espelho de pretensas superioridades morais que não contribuem senão para a intolerância, e não há ditadura que não se arrogue delas: Hitler, Mussolini, Salazar e Franco, fizeram-no. Se alguns desses “rapazolas de canelas desnudas” se tornaram assassinos do III reich, e alguns tornaram, a maior parte foram seguramente apenas jovens que como eu, e também a maior parte dos jovens portugueses de então, tiveram que alinhar em mocidades portuguesas e guerras de África. E muitos outros foram seguramente militantes anti-nazis. Não estou a falar de tolerância, esses movimentos não são toleráveis, mas quem esteve neles porque as circunstâncias não lhes permitiam ver o que se passava, ou recusar frontal e abertamente a participação, não merecem ser assim insultados só por uma questão de estilo ou, pior, de convicção, porque tal convicção só pode estar existir se associada à tal superioridade moral, o primeiro passo da(s) intolerância(s) que é o pior dos males deste mundo.

  3. PP diz:

    Ir ver o kenneth anger e sair chocado é bastante ingénuo…

  4. PP diz:

    Ir ver o kenneth anger e abandonar a sala chocada é bastante ingénuo…julgava que ia à tina modotti?

  5. Carlos Vidal diz:

    Atenção que a ondina estreia-se com um tema de que ninguám mais sabe do que ela.
    Já agora, bem-vinda caríssima. Bela estreia, com um dos nossos ídolos. O Ich Will foi muito bem tratado pela Artforum, essa preciosidade americana. Tenho de ver a coisa, mas é na ondina que eu confio.

  6. não conheço os filmes mas conheço o Anger e nazista ele não eh mesmo. Alias, alguem divuda que, num regime desses o primeiro a ser assasinado seria o proprio Anger?

Os comentários estão fechados.