Ravel nas favelas


A Orquestra Juvenil Simon Bolívar foi criada por iniciativa de Hugo Chávez. O conceito é simples: colocar jovens a tocar música, todo o tipo de música. O recrutamento da orquestra é feito nos bairros pobres de Caracas e obedece a um esquema também simples. Cada jovem pode aparecer tocando o que sabe: viola, guitarra, latas, instrumentos tradicionais, o que for. Depois é dado a cada um deles a formação musical completamente gratuita. Os melhores são integrados na Orquestra que até participa em festivais internacionais, de Viena a Toronto.

Há também o recrutamento feito pelos próprios jovens músicos que estudam na orquestra. Vão aos bairros pobres em busca de talentos ou simplesmente desafiando outros jovens e miúdos a integrar a escola.

Os instrumentos, de violoncelo à harpa, passando pelo violino e saxofone, são grátis. Ninguém paga um único instrumento musical! É assim que a Orquestra é formada por jovens brancos, índios, negros, mestiços que reflectem a sociedade venezuelana. É emocionante ouvi-los tocar. Pela própria emoção, dedicação e entusiasmo que transmitem. Por exemplo, como neste concerto transmitido pela BBC: orgulhosos das suas origens, os jovens vestidos com as cores da bandeira da Venezuela. E reparem na alegria e na força do maestro Gustavo Dudamel (nas foto).

Em cada concerto, além dos clássicos, como Ravel, Handel, Mozart e outros, a Orquestra Símon Bolívar faz questão de apresentar as obras de compositores latino-americanos, como o argentino Alberto Ginastera ou o mexicano Arturo Marquez.

Por Portugal, terra em que o ensino da música é um verdadeiro luxo destinado a uns poucos, já andou um dos músicos a tentar introduzir o mesmo conceito de criar uma orquestra a partir de gente que vive nos bairros mais pobres. Mas desconfio que falta o interesse e vontade.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

17 respostas a Ravel nas favelas

  1. Formação musical para as crianças dos bairros pobres. Este Chavez é mesmo um populista com tiques autoritários…

  2. Jose Simoes diz:

    “Orquestra Juvenil Simon Bolívar foi criada por iniciativa de Hugo Chávez”

    Não, não foi.

    http://en.wikipedia.org/wiki/Orquesta_Sinfónica_Simón_Bolívar

    José Simões

  3. Emídio Fernando diz:

    Sim, foi. A Orquestra, tal como a conhecemos agora, foi criada por um Governo de Hugo Chávez e fundada por José António Abreu. A wikipédia não é uma enciclopédia científica.

  4. Emídio Fernando diz:

    Claro, Rick. É bem melhor que as crianças dos bairros pobres continuem a mostrar as bocas desdentadas em jogos de futebol e a gritar fanaticamente por uns jogadores quaisquer ou arrastem ilusões por centros comerciais. Como cá, aliás. São pobres que continuem pobres e ignorantes e incultos, de preferência.

  5. cfa diz:

    Não foi criada por um governo Hugo Chavez, foi criada em 1975 por José António Abreu. O governo de Hugo Chavez absorveu a ideia, finaciou-a, chamou-lhe El Sistema e apoiou a sua internacionalização. Fez bem, mas nem tudo o que é apoiado por um governo é obra desse governo. Digo eu, sei lá, ou a TSf foi criada por Cavaco Silva?

  6. Emidio Fernando diz:

    Obrigado pela ajuda cfa. A TSF não foi criada por Cavaco Silva, claro, na altura ele dedicava-se a criar outras coisas. E nunca foi apoiada pelo Governo e está exactamente igual: é uma rádio de notícias. A orquestra, como disse, passou a ser FINANCIADA pelo Governo. Por isso, digo tal qual a conhecemos agora. A orquestra não vive da publicidade.

  7. pcarvalho diz:

    E o Hugo Chavez é que é besta?E o ‘engenheiro’?É só Armani e Prada.

    É a difereça,estúpido!(Para o xico comentarista e fascista,concerteza!).Ora.ora,não cores,homem,assume-te!

  8. GL diz:

    “Mas desconfio que falta o interesse e vontade.”

    E petróleo.

  9. y correa diz:

    todo o tipo de música?
    até a pimbalhada?
    com todo o tipo de instrumentos?
    os próprios músicos vão aos bairros da lata em busca de novos talentos?
    histórias da carochinha para contar aos alentejanos ao deitar da cama?
    paleio soviético?

  10. y correa diz:

    Nos bairros mais pobres, os pobres, só pensam no Benfica ou no Porto e naquele clúbio erverdelhado do Mário Machado e símbolos nazis, peidam-se em casa com os pais, adoram Tony Carreira, choram nos fados da Amália, sujam as mãos com o óleo das sardinhas assadas e jaquinzinhos à pelintra, arrotam depois de umas bujecas e a curtir umas nhecas, e depois dissertam com umas naifadas nos “ricos”… quando não partem em excursões de burros urbanos até ás praias da linha para uns arrastões de categoria internacional.
    Maestros?
    Há muitos por aí, no Bloco e no PCdeP.

  11. A. Laurens diz:

    y correa

    Por muito que lhe custe o paleio Soviético não foi o paleio dos 3 F´s. Deixou os cidadãos preparados e com uma cultura acima da média, não deixou trinta e tal por cento de analfabetos. Esquece-se Que os povos da ex União Soviética ainda hoje frequenta concertos, ópera e dança clássica. Dê um saltinho até Praga e veja a diferença.

  12. eu! diz:

    Talvez seja útil sublinhar que a orquestra não foi, de facto, “criada por iniciativa de Hugo Chavez”. O próprio Dudamel, figura em grande parte responsável pela projecção da orquestra, formou-se ali como músico e como maestro, são precisos anos para formar músicos. A orquestra é resultado de um trabalho continuado que pouco deve a Chavez, que obviamente fez muito bem em apoiar uma iniciativa que já existia há 30 anos.

    Em relação a Portugal, existe pelo menos um projecto-piloto recente inspirado na orquestra Juvenil Simon Bolívar, a Orquestra Geração: http://www.gulbenkian.pt/index.php?article=739&visual=169

    Comentador ycorreia, que assim fala dos “pobres” com tanto desprezo e preconceito, fiquemos com estas crianças: http://www.youtube.com/watch?v=GkNhsEWlBeE
    Pobreza de espírito é outra coisa, e essa parece andar à solta mais por estas bandas.

  13. JC diz:

    Perante este texto emocionante sobre a propaganda do Major, só me resta lembrar ao autor: os poetas são muito ingénuos…para a história vai ficar mesmo o “porque no te callas!”. Quando se dá espaço a tiranetes deste calibre, depois saem Mussolini’s e Kim’s…

  14. violinista diz:

    A orquestra não passou a ser financiada pelo governo a partir de Chávez (http://www.fesnojiv.gob.ve/es/historia/el-sistema-y-el-estado.html), nem poderia ser de outra maneira para um projecto de tal magnitude (agora mesmo, abrange mais de 250.000 crianças em toda a Venezuela). El sistema é antes de mais pensado como um meio de inserção social, uma maneira de dar uma alternativa a crianças desfavorecidas. É, aliás, deste facto que retira a sua força: a grande maioria destas crianças encontra na música a única maneira construtiva de se integrar em sociedade, e não há como não se contagiar com a sua energia (http://www.youtube.com/watch?v=6yjCFnKuBJQ). Por isso é dada tanta importância ao trabalho de conjunto, a tocar em orquestra: é a melhor maneira de se aprender o que significa viver em sociedade.
    Por cá, o projecto chama-se Orquestra Geração e parece ter pernas para andar. A ver vamos…
    Já agora, a Orquestra Simon Bolivar vai estar no Coliseu no dia 25 de Abril.

  15. Emídio Fernando diz:

    Obrigado, violinista. Por acrescengtar a sempre necessária mais-valia ao post e por dar essa excelente notícia: a da Orquestra estar por Portugal no dia 25 de Abril. É caso para reservar o bilhete já! E calha bem: celebrar o 25 de Abril desta forma.

  16. Nuno Ramos de Almeida diz:

    E eu coloquei-te um vídeo do youtube com a dita orquestra. Parece-te bem?

  17. Emídio Fernando diz:

    Parece-me muito bem, Nuno. Obrigado. Tentei fazê-lo, mas não consegui.

Os comentários estão fechados.