O trilho da Eslováquia até ao Euro

É curiosa a história da moeda oficial da Eslováquia desde a independência do Império Austro-Húngaro. A coroa checoslovaca foi a moeda oficial enquanto durou a união da Rep. Checa e da Eslováquia, mas durante os 6 anos de anexação da Rep. Checa pelos nazis a Eslováquia teve a sua própria coroa. A coroa eslovaca voltou depois da separação definitiva da Checoslováquia em 1993 para mais 15 breves anos de existência.
Desde 1 de Janeiro, os Eslovacos voltam a ter uma moeda partilhada com outras nações mas desta vez os imperadores que chamavam Pressburg a Bratislava já não são coroados na Catedral de São Martinho e as lagartas dos tanques do Império do outro lado da Europa já não rasgam o alcatrão da estrada em frente à Universidade Comenius.
Mas a história não acaba aqui. Após o recente afundanço económico da Hungria e do impacto económico negativo da crise nos países fora da eurozona, o atlantismo populista que emanava da Polónia para o resto dos países de leste perdeu muito da sua chama. Uma sondagem recente realizada na Rep. Checa dá 65% da população a favor do euro. Ironia, das ironias, em breve checos e eslovacos voltarão a ter a mesma moeda.
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

3 respostas a O trilho da Eslováquia até ao Euro

  1. Pingback: O trilho da Eslováquia até ao Euro : europa

  2. Ironias há muitas.

    Afinal Pressburgo, ou Bratislava, são meras variações “estrangeiras” do nome verdadeiro da Cidade: Pozsonyi, a antiga (e primeira!) Capital da Hungria. Sabia o Rui Curado da Silva?…

  3. Uma parte da minha família é eslovaca e essas informações “em primeira mão” são transmitidas nos contos para criancinhas de eslovacos contra húngaros. Será que temos que ser sempre cartesianos para nos percebermos uns aos outros? Eu podia ter escrito “desta vez a Eslováquia já não é dominada pelo Império Austro-Húngaro e pela URSS”

    Em vez, escrevi “desta vez os imperadores que chamavam Pressburg a Bratislava já não são coroados na Catedral de São Martinho e as lagartas dos tanques do Império do outro lado da Europa já não rasgam o alcatrão da estrada em frente à Universidade Comenius.”

    Apeteceu-me, dado que Pressburg era o nome oficial da cidade durante a dominação austro-húngara. É preciso explicar também a história dos tanques soviéticos em frente à Universidade Comenius?

Os comentários estão fechados.