IGESPAR, IGESPOU ou IGESPARIA?

A notícia de capa do Expresso declarando que um terço do património da UNESCO em Portugal ameaça derrocada é mais uma prova da inexistência do IGESPAR (que há mais de anos que mudou de nome e ainda nem se quer se deu ao trabalho de tratar do site de internet). A prática de nomear boys sem critério e, ainda que haja bons quadros na sua estrutura, liquida qualquer organismo público.
Ao IGESPAR primeiro fundiram-no e depois…

Este artigo foi publicado em cinco dias, Nuno Ramos de Almeida and tagged . Bookmark the permalink.

5 respostas a IGESPAR, IGESPOU ou IGESPARIA?

  1. António Figueira diz:

    Caro Tiago,
    A notícia é assustadora. Eu não sei se o IGESPAR tem servido ou não para colocar boys (conheço o seu Presidente, Elísio Sumavielle, de quem tenho muito boa opinião pessoal e que não posso de maneira nenhuma classificar assim), duvido em qualquer caso é que isso explique todos os problemas que hoje afectam o património em Portugal, e que incluem também questões de meios (ou de falta deles, naturalmente), relações entre poderes central e local, etc.
    Abraço, AF

  2. Tiago Mota Saraiva diz:

    António, a notícia é assustadora. Se, é certo, que o património não se degrada em meia dúzia de anos ao Elísio Sumavielle, na minha opinião, é-lhe imputável a inacção, seja produto da falta de
    verbas (que só ele poderia denunciar) ou de outras opções políticas.
    Sobre a sua nomeação, pela (então) Ministra da Cultura Pires de Lima, conversaremos no dia da ceia do 5dias.

  3. Carlos diz:

    Mas continuam os vícios de ricos.
    Agora é uma candidatura inacreditável de Coimbra, abrangendo a Universidade e mais não sei que área da Cidade.
    Onde não há dinheiro para a manutenção do património já classificado, vai-se classificar os edifícios que o Salazar construiu na velha Alta, para além do antigo Paço Real e ainda os velhos colégios da Rua da Sofia?

  4. Carlos diz:

    Mas está lá a Senhora Prof.ª Doutora Arq.ª Andreia Galvão que verdadeiramente manda naquilo, o que é uma sorte.

  5. ana diz:

    O problema do património em Portugal é complexo, e desculpa lá, não passa pela nomeação dos boys. isso é redutor e muito ignorante. Simplicista. Dizer mal porque sim. Mas nós somos o que somos, e tu és o que és.

Os comentários estão fechados.