Até amanhã, Paulo

A blogosfera serve para muita coisa. Serve de saco de boxe. Amplifica egos. É pretexto para jantares. Permite ver o gerador automático de poemas do Pacheco Pereira. E, às vezes, dá-nos a possibilidade de ler opiniões que não concordamos, mas que nos fazem ganhar em inteligência e amizade. Confesso a minha admiração pelo trabalho do Paulo Pinto Mascarenhas e a minha pena que ele abandone a blogosfera. Desejo-lhe toda a sorte do mundo no novo trabalho. Espero que volte depressa. Amanhã, pode ser?

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

22 Responses to Até amanhã, Paulo

  1. Pingback: Até amanhã, Paulo : poemas

Os comentários estão fechados.