Uma palavrinha curta sobre a arte contemporânea israelita


Digo uma “palavrinha curta”, poque vou falar de um só autor, e, apesar disso, muito sinteticamente. Yael Bartana é uma das artistas mais interessantes de Israel, nascida em Afula em 1970, vive entre Tel Aviv e Amesterdão. Entre vídeos, filmes e instalações faz parte de uma primeiríssima linha da arte contemporânea e israelita em particular.
Na última “DOCUMENTA” de Kassel (Junho-Setembro de 2007), Bartana apresentava “Summer camp”, um vídeo de 2006. Nessa altura, Bartana acompanhou os trabalhos do ICAHD (Israeli Committee Against House Demolitions), onde palestinianos e israelitas, juntos, reconstruíam uma casa palestiniana demolida pela autoridade municipal de Jerusalém em 2005. A casa reconstruída iria ser, obviamente e de novo, demolida. Mas o trabalho artístico de Bartana aqui era interessantíssimo. Tratava-se de usar a velha ideia da propaganda sionista em torno da “construção do país” para criticar essa mesma propaganda. Porque o que Bartana filmou iria de novo ser destruído.
No filme de que aqui apresento um excerto, e com sorte apanhei no Youtube não sei como, “Mary Koszmary”, Bartana dirige um actor pedindo aos 3 000 000 de judeus que a Polónia perdeu que voltem a casa, à Polónia. Isto é, o que Bartana nos diz é que uma Polónia pura ou sem estrangeiros (em geral) para nada serve, como um Israel puro para nada serve. Três milhões de judeus fazem falta à Polónia, porque foram e seriam polacos. Não é o território ou as suas míticas implicações bíblicas que faz de nós o que somos. O que faz de nós o que somos é aquilo que construímos e onde construímos. Lição de Yael Bartana.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

5 respostas a Uma palavrinha curta sobre a arte contemporânea israelita

  1. Pingback: Uma palavrinha curta sobre a arte contemporânea israelita : youtube

  2. ana diz:

    em novembro de 2007 ela foi falar a um caucaus no Van Abbemuseum em Eindhoven (a iniciativa chamou-se “becoming dutch”), e mostrou este mesmo trabalho… a discussão foi curiosa, se quiserem podem ver aqui (é no dia 17 de novembro e é o video da parte2):
    http://becomingdutch.com/events/?s=0,9,1

  3. Carlos Vidal diz:

    Muito grato, ana.
    É sempre muito bom duas coisas: primeiro, gosto muito de revelar e falar/divulgar artistas das mais recentes gerações; depois, é sempre bom em torno disso ter ecos, ecos como o seu. E Bartana merece-o, porque é uma artista fundamental.
    Espero que os leitores do 5dias tenham tudo isto em consideração.
    Eu estive na última “DOCUMENTA”, mais fraca que a de 2002 (a exposição é quinquenal), e a peça de Yael foi das que mais me interessou.

  4. Carlos Vidal diz:

    O ezequiel não percebeu nado do que eu disse, nem da obra de Bartana. E manda-me para um site “merda. qualquer coisa.merda.Anti-Semitism.merda.com.” Boa boa, merda para o site. Tenho de fazer o que sempre fiz: acompanhar atentamente a obra da Yael. O resto mando à merda.

Os comentários estão fechados.