Jornalismo desportivo

Domingo de manhã já Israel tinha morto duzentos e tal pessoas e os jornais todos traziam Gaza nas suas capas. Os jornais todos não: o Correio da Manhã, que eu tivesse reparado, trazia muitas outras coisas na primeira página, mas Gaza não: o destaque ia antes para um “condutor drogado” que, algures no Norte, tinha atropelado não-sei-quantos jovens e deixado um em estado grave (cito de memória: se não era exactamente assim, era parecido). Note-se que não estou a criticar: afinal nesse dia A Bola também dava a sua manchete ao Liedson e ninguém lhe leva a mal por isso; porque razão haveria eu de levar a mal o Correio da Manhã? À sua maneira, o fait-divers também é um desporto de massas.

Sobre António Figueira

SEXTA | António Figueira
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

5 respostas a Jornalismo desportivo

  1. Sim eu sou do Norte e acho que é mais importante a noticia dada pelo CM que as noticias dos outros Jornais.
    Que me importa que Israel mate terrorista, quando no meu país e região os terroristas matam pessoas e fogem.
    Ninguem está peocupado com os Israelitas que morrem com ataques suicidades dessa escumalha, islámica

  2. António Figueira diz:

    Seria o drogado islâmico? Bingo, bingo!

  3. parece-me subversiva ideia de que um jornal desportivo peca por não trazer na sua capa os atentados em Gaza. Um jornal desportivo será sempre um jornal desportivo. Da mesma maneira que as revistas Caras, Lux e C.ª não publicarão certamente nada relativo aos referidos ataques.

  4. a.m. diz:

    Domingo de manhã já Israel tinha… matado, não é verdade?

  5. António Figueira diz:

    Caro a.m.,
    É verdade: o particípio passado de matar é matado, mas morto não me soa mal, por isso vou deixá-lo onde está, espero que me desculpe.
    Obrigado pelo comentário e cumps., AF

Os comentários estão fechados.