EDWARD W. SAID (III) e DANIEL BARENBOIM (I): Almas gémeas, amigos gémeos, uma obra comum que se prolongará


A Orquestra Sinfónica West-Eastern Divan, criada em 1999, é constituída por músicos egípcios, israelitas, jordanos, palestinianos, foi o último sonho de EDWARD SAID, o último dos humanistas como eu gosto de o chamar, foi e é concretizada diariamente pela alma gémea de Said, o judeu DANIEL BARENBOIM, um dos grandes maestros do século XX (que dispensa apresentações, obviamente), Barenboim que também foi alma gémea da ideia e do projecto, hoje gerido pela Barenboim-Said Foundation.
De Barenboim, pouco mais há a dizer para além do que eu disse, mas um episódio recente merece referência. Em Israel, há pouco tempo, atreveu-se a interpretar Wagner, um excerto orquestral do “Tristão” se não me engano. Explicou porque o fazia e, na sua terra, viu metade da sala sair. A música impôs-se e Barenboim, conhecido wagneriano, continuou e permitiu que saísse quem quisesse.
Este vídeo é de Londres, dos Proms, e nele a Orquestra Divan interpreta a abertura dos “Mestres Cantores” (um excerto). Barenboim dirige-se à assistência londrina: “não estou aqui para apontar o que está mal no Médio-Oriente, estou aqui para dizer o que está bem” e aponta para a “sua” orquestra. Bem haja Barenboim, bem haja Wagner.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

5 Responses to EDWARD W. SAID (III) e DANIEL BARENBOIM (I): Almas gémeas, amigos gémeos, uma obra comum que se prolongará

  1. Pingback: Arrastão: Eles sim, eram iguais

Os comentários estão fechados.