Vem e Vê

Numa das cenas finais do Apocalypse Now, coronel Kurtz, interpretado por Brando, repete, ciciando, a palavra “horror”, para sublinhar que as regras da guerra se baseiam na total crueldade. No outro lado do planeta, Elem Klimov fez um filme sobre esse horror. O realizador a quem os pais deram, como primeiro nome o acrónimo de Engels, Lenine e Marx e que morreu sem conseguir rodar a Margaria e o Mestre de Bulgakov e um filme sobre Estaline, soube inscrever na tela toda a textura da guerra. Num dos filmes mais violentos alguma vez rodados, nenhuma violência é gratuita e toda ela é irracional. A deriva da guerra está capturada com toda a sua lama e em gorgolejos de sangue.

Nota: Pode-se ver o filme Idi I smotri (Vem e Vê) na integra e legendado em inglês no Youtube.

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

2 respostas a Vem e Vê

  1. Pingback: Vem e Vê : filmes

  2. É de facto um dos filmes mais violentos que alguma vez se fizeram. Nunca mais o esqueci desde que, nos idos anos noventa, a RTP2 mo deu a conhecer. Há dois anos adquiri uma cópia em DVD, via Amazon.
    Sobre o horror da guerra, muitos poucos (filmes) podem ombrear com Vem e Vê.

Os comentários estão fechados.