“The Politics of Verticality”

Eyal Weizman é um arquitecto israelita que, actualmente, é director do “Centre for Research Architecture at Goldsmiths College” da Universidade de Londres. Na sua tese, “The Politics of Verticality”, Weizman procura registar as formas como o exército de Israel utiliza fronteiras e operações de destruição de conjuntos urbanos, como ferramentas de guerra e adiamento da construção da Palestina.

[“The Politics of Verticality” – Síntese + Imagens]

[“The Politics of Verticality” – texto integral em Open Democracy]

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , . Bookmark the permalink.

3 respostas a “The Politics of Verticality”

  1. Pingback: cinco dias » “Guerra Justa”

  2. Carlos Vidal diz:

    A importância da arquitectura como forma de inutilizar o terreno para a vida presente e futura dos palestinianos, cortando o território num número infinito de check-points e exclusivas vias rápidas, de colonatos ligados uns aos outros num mundo paralelo que se sobrepõe à vida de milhões de pessoas, tem um paralelo numa outra actividade de eleição do estado de Israel: a arqueologia. Tudo é vasculhado para legitimar a ocupação. Nestes termos, os inúmeros livros de Edward Said, repito, são os mais globais e elucidativos, também os mais radicais e informados. De resto, a Verso (e a New Left Review), editora de Weizman, pode proporcionar sozinha uma excelente bibliografia para a brutal ocupação ou brutal realidade que é o estado de Israel.

  3. Pingback: : fractura.net! | Tráfico de Influências | 29/12/2008

Os comentários estão fechados.